Dourados – MS terça, 16 de agosto de 2022
Dourados
33º max
23º min
Campanha de Utilidade Pública - Caruru
Economia

Brasil lidera ranking de juros reais com o dobro do 2º colocado, aponta levantamento

Considerando o valor nominal da taxa, de 13,75%, os juros brasileiros ficam na terceira posição dentre 40 países

04 Ago 2022 - 13h15Por CNN
Taxa de juros real do Brasil subiu de 8,10% em junho para 8,52% em agosto - Crédito: Getty Images Taxa de juros real do Brasil subiu de 8,10% em junho para 8,52% em agosto - Crédito: Getty Images

O Brasil continua com os maiores juros reais dentre 40 economias, e a diferença para o segundo colocando aumentou para mais que o dobro após a alta realizada pelo Banco Central na quarta-feira (3), segundo um levantamento da corretora Infinity Asset.

O Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,5 ponto percentual, para 13,75% ao ano. Com isso, a taxa de juros real do Brasil subiu de 8,10% em junho para 8,52% em agosto.

Os juros reais são calculados a partir do desconto da taxa nominal definida pelo comitê pela projeção de inflação para os próximos 12 meses.

Além de continuar liderando a lista, o Brasil ampliou a distância para o segundo colocado, o México. Em junho, o país tinha juros reais de 4,48%, e agora eles estão em 4,20%. Com isso, a diferença entre as duas taxas aumentou, sendo mais que o dobro.

Fechando a lista dos cinco maiores juros reais estão a Hungria (3,5%), a Colômbia (3,18%) e a Indonésia (2,2%). O Chile, que em julho registrou a maior inflação em 30 anos, caiu uma posição em relação a junho, da quinta para a sexta, e agora possui juros reais de 1,79%.

Já os menores juros reais são da Bélgica (-7,09%), Grécia (-6,92%), Holanda (-6,7%), Espanha (-6,49%) e Alemanha (-6,19%).

A média de juros reais dentre os 40 países foi de -1,89%, indicando que as inflações projetadas ainda tendem a ser maiores que as taxas de juros atuais.

Considerando apenas a taxa nominal de juros, o Brasil manteve a terceira colocação no ranking. A maior taxa nominal é a da Argentina, que de junho a agosto subiu de 49% para 60%, enquanto o país enfrenta níveis cada vez maiores de inflação.

Também enfrentando níveis elevados de inflação, a Turquia manteve a segunda colocação, com 14%. Como o país não elevou os juros na reunião de julho, a diferença para o Brasil diminuiu, e agora é de 0,25 p.p. Completam a lista a Hungria (10,75%) e o Chile (9,75%).

As menores taxas de juros são da Suíça (-0,75%), Dinamarca (-0,1%), Japão (-0,1%) e dos países que compõem a zona do euro, todos com um mesmo patamar de 0,5%. A média dos 40 países foi de 4,87%, ante 4,01% em junho.

Segundo o Infinity Asset, houve “uma redução das pressões de inflação global, perdendo força em parte das medidas, dadas as retomadas dos embarques industriais na China e relativa estabilidade da questão russo/ucraniana”.

“Os programas de aperto quantitativo continuam lentos, e o movimento global de políticas de aperto monetário continuou a ganhar força, com o aumento expressivo no número de BCs sinalizando preocupação com a inflação, mesmo com a queda do preço de commodities”, ressalta a corretora. Dos 40 países analisados, 82,5% subiram seus juros entre junho e agosto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Beneficiários com NIS final 6 recebem Auxílio Brasil nesta terça-feira
Auxílio Brasil

Beneficiários com NIS final 6 recebem Auxílio Brasil nesta terça-feira

há 35 minutos atrás
Beneficiários com NIS final 6 recebem Auxílio Brasil nesta terça-feira
Caminhoneiros já podem fazer autodeclaração para receber benefício
Economia

Caminhoneiros já podem fazer autodeclaração para receber benefício

15/08/2022 15:45
Caminhoneiros já podem fazer autodeclaração para receber benefício
Economia

Caixa paga Auxílio Brasil com primeira parcela de R$ 600 a beneficiários

15/08/2022 07:45
Produção de motocicletas tem melhor acumulado para julho desde 2015
Economia

Produção de motocicletas tem melhor acumulado para julho desde 2015

14/08/2022 11:00
Produção de motocicletas tem melhor acumulado para julho desde 2015
IBGE estima safra recorde de 263,4 milhões de toneladas em 2022
Economia

IBGE estima safra recorde de 263,4 milhões de toneladas em 2022

14/08/2022 09:00
IBGE estima safra recorde de 263,4 milhões de toneladas em 2022
Últimas Notícias