Dourados – MS sábado, 08 de agosto de 2020
Dourados
32º max
15º min
Segurança e Saúde JBS
TRABALHO REMOTO

70% das pessoas gostariam de continuar no home office, aponta estudo

Wilson Amorim explica que os motivos podem ser o alívio de estar empregado, segurança de estar em casa em plena pandemia e ganho de tempo com o não deslocamento

07 Jul 2020 - 12h03Por Jornal da USP
70% das pessoas gostariam de continuar no home office, aponta estudo -

A pandemia forçou a alternativa de uma modalidade de trabalho que tinha tímidos índices: o home office (teletrabalho). No Brasil e no mundo, foram várias as empresas que se adaptaram rapidamente a esse tipo de trabalho feito em casa, salvaguardando aqueles serviços que possibilitassem a prática. Visando à análise do período, a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP fez uma pesquisa sobre o tema no estudo Satisfação e Desempenho na Migração para o Home Office.

Quem fala sobre o relatório técnico, em entrevista ao Jornal da USP no Ar, é o professor Wilson Amorim, um dos coordenadores da pesquisa. O alcance da pesquisa foi de aproximadamente 1.300 respondentes, com predominância de trabalhadores com alta qualificação e renda elevada. A grande maioria deles vem aprovando a experiência de trabalho em casa. “Isso foi uma surpresa. Colocamos a expectativa de que as pessoas tivessem uma visão relativamente crítica do trabalho em casa e a distância. Não foi isso o que aconteceu”, explica.

Para essa realidade brasileira, 70% gostariam de continuar trabalhando em home office, contra 19% que não gostariam e 11% que foram indiferentes. E mesmo que muitos não tenham um espaço específico para trabalho em casa, o resultado positivo pode ser justificado por três hipóteses. De acordo com Amorim, estar trabalhando enquanto o entorno é marcado pelo desemprego já é um fator de alívio. Outro ponto é a insegurança em relação à própria saúde, reduzida com o fato da não necessidade de sair para trabalhar. Por fim, ele destaca o tempo “ganho” ao não enfrentar trânsito nos dias de trabalho convencionais.

“[São] três aspectos que colocam as condições de trabalho em casa como muito favoráveis do que seriam de outra maneira”, resume o professor. Dos setores atingidos, a educação foi o que se mostrou mais crítico em relação à modalidade, com apenas 56% respondendo que gostariam de continuar trabalhando a distância, muito talvez pela abrupta adaptação e diversos outros fatores que levam a área (e os professores e estudantes) a serem resistentes em uma modalidade de ensino improvisada. Mesmo com isso, Wilson Amorim afirma: “Nós vamos avançar e não recuaremos para o momento anterior. Essa nova situação vai demandar uma relação de trabalho diferente do que tinha antes, em qualquer setor”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mesmo em pandemia, Procon mantém média de 30 denúncias por dia em Dourados
CONSUMIDOR

Mesmo em pandemia, Procon mantém média de 30 denúncias por dia em Dourados

08/08/2020 13:07
Mesmo em pandemia, Procon mantém média de 30 denúncias por dia em Dourados
Economia

Governo vai anunciar 3 ou 4 'grandes privatizações' em até dois meses, diz Guedes

07/08/2020 12:07
Cepal diz que comércio internacional da América Latina cairá 23%
Economia

Cepal diz que comércio internacional da América Latina cairá 23%

07/08/2020 08:00
Cepal diz que comércio internacional da América Latina cairá 23%
Postos já podem vender gasolina com novo padrão
Brasil

Postos já podem vender gasolina com novo padrão

06/08/2020 14:00
Postos já podem vender gasolina com novo padrão
Dólar opera em alta após novo corte na taxa de juros
Economia

Dólar opera em alta após novo corte na taxa de juros

06/08/2020 12:30
Dólar opera em alta após novo corte na taxa de juros
Últimas Notícias