Dourados – MS segunda, 20 de setembro de 2021
Dourados
40º max
24º min
Cultura

Estilista e coreógrafo de MS lança coleção de moda em formato virtual

Com a proposta de roupas que dançam, a marca FNK apresenta nova coleção através de um desfile gravado em vídeo e disponibilizado ao público via Instagram e Youtube

03 Ago 2021 - 08h00
Estilista e coreógrafo de MS lança coleção de moda em formato virtual -

Reconhecido no cenário cultural de Campo Grande pela atuação no eixo da moda e da dança, o coreógrafo e estilista Edson Clair lança sua mais nova coleção de roupas - da grife FNK – por meio do projeto “Fashion Dance Phigital”. Todas as peças podem ser conferidas por meio do desfile gravado em formato de vídeo que já está disponível nas redes sociais:  Youtube pelo canal Edson Clair e no Instagram pelo perfil @espacofnk - na aba IGTV. 

O nome da coleção faz uma alusão as duas linguagens utilizadas no projeto: o plano físico (Physical em inglês) e o digital. Uma referência ao desfile da nova colação que, embora tenha reunido modelos na passarela, foi viabilizado ao público em formato de vídeo. É na internet que as pessoas poderão conferir e comprar as criações do estilista.  

O vídeo é apenas o primeiro episódio do projeto que prevê ainda outros dois. O segundo trará cenas dos ensaios e o terceiro com entrevistas dos artistas, modelos e bailarinos, envolvidos no trabalho. 

O desfile através do audiovisual foi a alternativa encontrada pelo artista para apresentar seu mais recente trabalho dentro deste período conturbado de pandemia. “O projeto reúne as coisas que mais amo: a dança e a moda. Daí a proposta de roupas que dançam, ou melhor, que convidam as pessoas a se movimentarem”, enfatiza Clair.  

Tanto que a nova coleção pode ser comparada com um convite à dança. “Em ambas as situações você precisa se permitir, dizer sim para vivenciar. O Fashion Dance Phigital faz esse chamado ao público para as peças, porque são vestimentas que prezam o movimento sem abandonar a versatilidade de uso para as mais diferentes ocasiões e ambientes”.  

Uma liberdade que vem do estilo “street wear” - moda e cultura urbana - na qual Clair busca a inspiração ainda na fase dos croquis - desenhos. Até a origem da marca FNK bebe desta fonte, uma vez que o nome da grife faz alusão ao grupo de dança Funk-se, fundado há 25 anos pelo próprio artista.  

“A FNK surgiu para atender uma demanda do público [bailarinos] que não encontrava, na cidade, peças fluídas para conciliar a dança com o dia a dia. Agora, a ideia é ser mais abrangente, mostrando pelo desfile que qualquer pessoa, de qualquer idade, pode usar e combinar as peças com alguma outra mais formal do guarda-roupa. Vai da criatividade”.  

Pluralidade que é sentida a partir do vídeo do desfile. A gravação traz modelos de diferentes perfis na passarela, com ênfase também no colorido dos tecidos. “O projeto é uma forma de reagir a tudo o que a sociedade está vivendo na pandemia. A cartela de cores vem para nos tirar do cinza. Já os modelos são jovens, crianças, idosos, negros, brancos, japoneses, enfim, pessoas de diferentes perfis para indicar que a moda é atitude, expressão”.  

Com trilha sonora feita sob encomenda, takes coreografados e filmagem em alta definição, dessas dignas de cinema, o projeto promete encantar o público e, ainda, dar aos fãs do Funk-se a chance de matar um pouquinho a saudade.  “Sem dúvida que o público faz muita falta. Mas, as pessoas vão assistir ao desfile, sentir a música, a coreografia e conferir efeitos de luzes e até planos com bailarinos de ponta cabeça”, revela Clair. 

Engajamento social
Outros dois pontos altos do projeto estão na preocupação com o meio ambiente e o bem-estar social. Isso porque o projeto “Fashion Dance Phigital” trabalha com o conceito “Upcycling” - moda reutilizável. “Reaproveitei tecidos para confeccionar jaquetas e bolsas. Itens feitos a partir de antigos figurinos do Funk-se”, explica.  

Enquanto, também, é articulada a doação de cestas básicas no bairro Noroeste, em Campo Grande. “Parte das vendas das peças serão revertidas em mantimentos que serão entregues às famílias na comunidade. É um outro modo da arte se fazer presente na vida das pessoas”, avalia o artista.  

O projeto seguiu os protocolos de biossegurança durante as gravações. Os trabalhos foram executados mediante recurso do edital Morena Cultura e Cidadania, advindo da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Sectur), por meio da Prefeitura Municipal de Campo Grande, com recurso da Lei Aldir Blanc (LAB).  

“Sem esse investimento, muitas coisas seriam inviáveis. Apesar do momento delicado de pandemia, foi incrível receber esse recurso. Se antes eu tive de arcar com toda a coleção, dessa vez consegui empregar mais profissionais dentro do projeto”, observa.  

E, se você ficou curioso para conferir a coleção completa basta acessar o Instagram @espacofnk ou o canal Edson Clair no Youtube. Já para comprar uma das peças basta mandar mensagens no Instagram para adquirir online ou agendar uma visita no Espaço FNK que fica situado na Rua 13 de maio, n.º 1575, centro de Campo Grande.  

O artista
“Minha vida inteira sempre fiquei dividido. Sempre gostei muito de desenhar roupas. Desde criança e  adolescente. Nesta mesma época comecei a dançar. Era o dançarino das festas de família. Dançava polca paraguaia com as tias. Uma vez dancei a noite toda até com o pé engessado. Ao mesmo tempo desenhava. Certa vez, fui com uma amiga em uma feira têxtil quando morava em São Paulo. Ela olhou para mim e para a feira e perguntou se era o que eu queria. Disse  também porque também queria dançar”, contou Clair.

Ele começou a dançar profissionalmente aos 14 anos e aos 18 iniciou o curso de designer de moda. Porém, nos últimos anos foi a dança que esteve mais em evidência. “A moda sempre esteve comigo como a dança. Brinco que sou viciado em tecido. No começo da carreira, trabalhei como estilista em lojas desenhando os modelos de tecidos. Ambas as artes estão muito presentes na minha vida e neste fashion dance consegui unir as duas coisas”, garantiu. No momento ele orienta seus alunos a se se jogarem nos editais de cultura e também tem se preparado para novos projetos. Como é o caso do projeto “Vem aí Minhas Pinceladas Dançam” que está aprovado pelo FMIC (Fundo Municipal de Investimento Cultural). “É onde vamos estudar e investigar o artista plástico Humberto Espíndola. Uma vez conversávamos e ele  disse, ‘Sabia que danço. Minhas pinceladas dançam’. Ele contou que começava a dançar e pintar”, revelou Edson Clair.

Serviço
Lançamento da nova coleção da grife FNK – Projeto Fashion Dance Phigital. Local: Desfile em vídeo disponível nas mídias sociais (Instagram e Youtube).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Zé Pretim tocou em Dourados, com o “Euphoria”, há 43 anos
Cultura

Zé Pretim tocou em Dourados, com o “Euphoria”, há 43 anos

19/09/2021 18:00
Zé Pretim tocou em Dourados, com o “Euphoria”, há 43 anos
Mestre Guerreiro e os 36 anos da Associação de Capoeira Baiana
Cultura

Mestre Guerreiro e os 36 anos da Associação de Capoeira Baiana

19/09/2021 17:00
Mestre Guerreiro e os 36 anos da Associação de Capoeira Baiana
Semana Farroupilha comemora o Dia do Gaúcho
Cultura

Semana Farroupilha comemora o Dia do Gaúcho

19/09/2021 16:00
Semana Farroupilha comemora o Dia do Gaúcho
“Trocado” pelo Shopping, Teatro Municipal foi esquecido por 23 anos
Cultura

“Trocado” pelo Shopping, Teatro Municipal foi esquecido por 23 anos

19/09/2021 15:00
“Trocado” pelo Shopping, Teatro Municipal foi esquecido por 23 anos
Cultura

FCMS prorroga prazo para trabalhadores realizarem a inscrição do Auxilio Emergencial

18/09/2021 13:00
Últimas Notícias