Dourados – MS sábado, 18 de maio de 2024
27º
Literatura

Emmanuel Marinho lança "Pequena Ópera", nesta quinta-feira, em Campo Grande

O lançamento ocorrerá a partir das 19h, no Sesc Cultura, localizado na Avenida Afonso Pena, 2270

21 Jun 2022 - 11h31Por Assessoria
Poeta Emmanoel Marinho lança o seu novo livro na Capital do Estado - Crédito: DivulgaçãoPoeta Emmanoel Marinho lança o seu novo livro na Capital do Estado - Crédito: Divulgação

O poeta douradense Emmanuel Marinho lança na próxima quinta-feira, dia 23, em Campo Grande, o seu novo livro, o “Pequena Ópera”. O lançamento ocorrerá a partir das 19h, no Sesc Cultura, localizado na Avenida Afonso Pena, 2270.

O novo livro de Emmanuel Marinho vem contribuir com esse rito de passagem, com beleza, coragem, resistência, poesia e luta. O rito de passagem é a travessia dos tempos pandêmicos... não sabemos ainda como será o ponto final e, ao olharmos para trás, já não podemos divisar com nitidez o ponto de partida. Resta-nos o caótico agora, tão bem retratado nesta narrativa poética de uma dura realidade, com descrições primorosas e tocantes.

Emmanuel Marinho, um dos maiores poetas brasileiros da atualidade, não poderia ficar indiferente (como nunca esteve) ao cenário sombrio que foi sendo montado à nossa frente, o lúgubre cenário, não bastassem os funestos personagens, chega outro, não menos truculento: o coronavírus. O resto do fim do mundo todo mundo já sabe.

Mas o olho da poesia é poderoso e seu verbo remove montanhas. Capaz de verbalizar o indizível, o Poeta Emmanuel, que se consagrou por sua “voz de veludo e dedo na ferida”, derramou suas angústias das noites insones nos poemas que relatam as impressões do dia, os sobressaltos da noite, as angústias do homem desse tempo de então, que é o poeta e pode ser eu, você, toda e qualquer pessoa.

Destaque para os desenhos de Lula Ricardi, artista visual notável, que traduziu a riqueza do texto em traços simples e sagazes metáforas. Observe-se a recorrência da haste de madeira, que aparece logo no cenário, que descreve uma trajetória simbólica eloquente do livro cuja narrativa estética é coroada pelos desenhos contidos nas orelhas da capa e da contracapa. Sensacional.

Ao ler o livro, certamente ocorrerá a observação: mas por que não se chama GRANDE ÓPERA”? A crítica da semioticista Rita Limberti apresenta uma análise em que se pode depreender com clareza que a obra (ópera, plural de opus, em latim) pertence ao gênero da Pequena Ópera – ou Opereta – por constituir-se uma crítica mordaz dos fatos, tratados em sua crueza. Ela diz:

      Tá tá tá tá tá tá ! Soam as notas da pequena ópera. Não são notas musicais... Nem os componentes da orquestra são virtuoses: “um cego com sua sanfona invisível”, “um harpista não inscrito na OAB, no Ministério Público Federal e nem na Ordem dos Músicos do Brasil”, um jovem índio cantor e os cantores do coro. Maracas e tambores, helicópteros, metralhadoras e escopetas produzem os efeitos sonoros, encobertos pelo ronco de uma camionete. Caótica, apocalíptica, a Pequena Ópera inspira-se no seu espaço e no seu tempo; então, quedam atônitas as pessoas que a leem, pois deparam com sua própria realidade e se percebem como seus personagens. 

       Seu autor, o poeta e dramaturgo Emmanuel Marinho, assume a batuta com sua usual maestria, criando arranjos dissonantes (cenas fortes) em ritmos sincopados (tiros e ruídos assustadores), para reger a flagrante desarmonia captada, por ele, do real. Nasce, então, uma Pequena Ópera, uma Opereta, que consiste num espetáculo teatral compacto, menor que a Ópera Buffa, derivado dela, composto por falas e cantos que se alternam. Caracterizadas, principalmente, por diferenciarem-se da Ópera Séria, que aborda com padrões formais rígidos temas míticos, heroicos ou da realeza, a Ópera Buffa e a Pequena Ópera abordam os temas sociais com senso crítico e crueza”.

Como se não bastasse o livro, a genialidade do poeta produz, ainda, um espetáculo teatral (uma Pequena Ópera), que em breve será  apresentado. Não acontece nem no teatro, nem na feira, nem na rua – onde costumeiramente Emmanuel realiza seus espetáculos e perfórmances -; acontece por telefone: a voz do poeta vai compondo o cenário, os personagens, os fatos, na fruição da narrativa do texto, proporcionando rara e insólita experiência sinestésica, plurisensorial.  À semelhança das antigas radionovelas ou novelas radiofônicas, cria-se, assim, a “novela telefônica”, que, a partir de um único sentido (a audição), é capaz de aguçar a imaginação e despertar as mais fortes emoções. Espetacular.

Serviço:

“Pequena Ópera”, de Emmanuel Marinho

Desenhos: Lula Ricardi

Dia 23 de junho de 2022

Quinta-feira - 19hs  No Sesc Cultura

Av. Afonso Pena, 2270 – Campo Grande - MS

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DJ Alok e dupla Bruninho e Davi encerram os shows neste sábado
58ª Expoagro

DJ Alok e dupla Bruninho e Davi encerram os shows neste sábado

há 38 minutos atrás
DJ Alok e dupla Bruninho e Davi encerram os shows neste sábado
Tia Eva, Niemeyer, japoneses, biodiversidade e liberdade de imprensa no Fazendo Arte
TV ALEMS

Tia Eva, Niemeyer, japoneses, biodiversidade e liberdade de imprensa no Fazendo Arte

18/05/2024 08:00
Tia Eva, Niemeyer, japoneses, biodiversidade e liberdade de imprensa no Fazendo Arte
Seleção Sub-20 é convocada para Data Fifa de junho
Futebol

Seleção Sub-20 é convocada para Data Fifa de junho

17/05/2024 22:15
Seleção Sub-20 é convocada para Data Fifa de junho
Ministra participa da abertura do 1º Festival Nacional de Artesanato na Bahia
Cultura

Ministra participa da abertura do 1º Festival Nacional de Artesanato na Bahia

17/05/2024 21:45
Ministra participa da abertura do 1º Festival Nacional de Artesanato na Bahia
Boca de Cena, Feira Bosque, Festa das Nações e show com Hugo e Guilherme agitam o fim de semana
Agendão

Boca de Cena, Feira Bosque, Festa das Nações e show com Hugo e Guilherme agitam o fim de semana

17/05/2024 14:00
Boca de Cena, Feira Bosque, Festa das Nações e show com Hugo e Guilherme agitam o fim de semana
Últimas Notícias