Dourados – MS domingo, 21 de julho de 2024
16º
Meio ambiente

Estudo diz que hidrelétricas irão causar extinções na Amazônia

18 Mar 2016 - 10h10Por Do Progresso
Acari Zebra é uma das centenas de espécies endêmicas que correm risco de extinção com a construção de Belo Monte. - Crédito: Foto: DivulgaçãoAcari Zebra é uma das centenas de espécies endêmicas que correm risco de extinção com a construção de Belo Monte. - Crédito: Foto: Divulgação
O cascudo-zebra (Hypancistrus zebra) não é empreiteiro nem político, não está denunciado na Lava Jato e não levou um centavo de propina pela usina de Belo Monte. No entanto, recebeu a pena mais dura de todas pela construção da superfaturada hidrelétrica no Pará: a morte. Quando o reservatório encher, secando a Volta Grande do Xingu, os pedrais onde esse pequeno peixe ornamental vive ficarão rasos e quentes demais para ele. Como só ocorre naquela região, o cascudo-zebra poderá ser extinto na natureza.


O mesmo destino aguarda diversas outras espécies que habitam ambientes únicos de rios amazônicos que cederão lugar a hidrelétricas. É o que sugere um estudo publicado no periódico Conservation Biology por um grupo de pesquisadores dos EUA, do Brasil e do Reino Unido.


Segundo o trabalho, que fez uma síntese da literatura científica disponível sobre hidrelétricas e extinções na Amazônia, as 437 usinas construídas, em implantação ou em projeto nos nove países amazônicos (90% deas no Brasil) acabarão com habitats raros dos rios da região, como corredeiras e pedrais. Nesses locais existe alta taxa de endemismo, ou seja, de espécies que não existem em nenhum outro lugar do planeta. Como corredeiras e pedrais também são os lugares que marcam desníveis dos rios amazônicos, é nessas áreas que os planejadores do setor hidrelétrico escolhem fazer barragens, que na maior parte dos casos afogam esses habitats (Belo Monte é uma exceção, pois provocará o efeito oposto).


Isso causa a extinção de peixes e plantas aquáticas que dependem do pulso sazonal dos rios. E leva junto toda a fauna terrestre associada, como morcegos, aves, roedores e anfíbios.


"Estamos, enquanto brasileiros, decretando o óbito de 3% a 5% da biota amazônica", disse ao OC o ecólogo paraense Carlos Peres, professor da Universidade de East Anglia, no Reino Unido. Ele é coautor do estudo, liderado por seu ex-aluno Alex Lees, hoje na Universidade Cornell, nos EUA. Peres diz que o setor elétrico já mapeou todos os rios com potencial hidrelétrico na Amazônia – que é onde está quase todo o potencial hidrelétrico remanescente no Brasil. "Todos eles são suscetíveis à expansão das usinas", afirma.


Segundo os pesquisadores, as ameaças das hidrelétricas à biodiversidade não se dão apenas pelo desmatamento induzido, mas também – e principalmente – por mudanças nos ambientes aquáticos. As barragens causam problemas aos peixes migratórios ao desconectar trechos de rios, e a espécies adaptadas ao ambiente de corredeira, como os cascudos, ao reduzir a velocidade da água, criando o que os cientistas chamam de ambientes "lênticos", ou de remanso. Nesses ambientes, a oxigenação da água é mais baixa, o que prejudica algumas espécies muito especializadas para viver ali e favorece espécies mais generalistas, como as invasoras.


As soluções de mitigação de impactos fornecidas pelos empreendedores não conseguem evitar a formação desses ambientes lênticos e frequentemente falham ao atacar a questão da desconexão. Na usina de Santo Antônio, no rio Madeira, por exemplo, ficou famosa a "crise do bagre" – a antecipada redução dos estoques comerciais de grandes peixes, que não conseguiriam transpor a barragem para se reproduzir rio acima. Os empreendedores gastaram milhões de reais construindo um canal lateral em forma de escada que simulava o ambiente pedregoso do fundo do rio, só para descobrir que os peixes não a utilizavam – seu instinto era seguir o curso principal do Madeira. No caso de Belo Monte, as principais vítimas são os peixes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Só 6,9% das áreas urbanas do país são cobertas por vegetação
Meio ambiente

Só 6,9% das áreas urbanas do país são cobertas por vegetação

19/07/2024 18:30
Só 6,9% das áreas urbanas do país são cobertas por vegetação
Bombeiros de MS continuam trabalho para conter incêndios em diferentes áreas do Pantanal
Meio ambiente

Bombeiros de MS continuam trabalho para conter incêndios em diferentes áreas do Pantanal

19/07/2024 17:30
Bombeiros de MS continuam trabalho para conter incêndios em diferentes áreas do Pantanal
Novo plano climático do Brasil será construído com participação popular, diz ministro
Clima e meio ambiente

Novo plano climático do Brasil será construído com participação popular, diz ministro

18/07/2024 20:45
Novo plano climático do Brasil será construído com participação popular, diz ministro
Resiliência: Pantanal Sul-mato-grossense se revela um gigante cheio de vida
Meio ambiente

Resiliência: Pantanal Sul-mato-grossense se revela um gigante cheio de vida

18/07/2024 09:30
Resiliência: Pantanal Sul-mato-grossense se revela um gigante cheio de vida
Com rios contaminados por agrotóxicos, Bonito convoca reunião
Meio ambiente

Com rios contaminados por agrotóxicos, Bonito convoca reunião

17/07/2024 12:30
Com rios contaminados por agrotóxicos, Bonito convoca reunião
Últimas Notícias