Dourados – MS domingo, 27 de setembro de 2020
Dourados
36º max
24º min
Meio ambiente

Bolsa Verde conserva biodiversidade

23 Fev 2016 - 09h05
Ribeirinhos estão entre os beneficiários do programa de conservação ambiental. - Crédito: Foto: Paulo de Araújo/MMARibeirinhos estão entre os beneficiários do programa de conservação ambiental. - Crédito: Foto: Paulo de Araújo/MMA
O programa Bolsa Verde está cumprindo seu papel de conservação. Segundo resultado de monitoramento ambiental realizado pela Universidade Federal de Lavras (UFLA/MG), entre 2012 e 2015, apenas 0,77% da área total inserida no programa sofreu supressão de vegetação nativa. O estudo monitorou 35 milhões de hectares, o que corresponde a 4% do território nacional, nas cinco regiões do Brasil e em 22 estados.


O Programa de Apoio à Conservação Ambiental Bolsa Verde, lançado em setembro de 2011, concede, a cada trimestre, um benefício de R$ 300 a famílias em situação de extrema pobreza que vivem em áreas consideradas prioritárias para conservação ambiental. Atualmente, o programa alcança 76.795 beneficiários.


A divulgação dos dados do monitoramento foi apresentada no fim de semana durante seminário realizado no Ministério do Meio Ambiente (MMA), em Brasília. Participaram gestores, técnicos e pesquisadores do MMA, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Desenvolvimento Agrário, UFLA, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e do Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM), além de organizações da sociedade civil que representam o público beneficiado pelo programa.


Para o ministro em exercício do Meio Ambiente, Carlos Klink, o Bolsa Verde congrega várias ações que vão além da conservação ambiental. “Devemos estar atentos para realizar o enraizamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), definidos pela Organização das Nações Unidas (ONU), nas ações do governo. O monitoramento do programa mostra quais serão os nossos desafios no futuro e os avanços que tivemos até agora”, afirmou ele.


O secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, Carlos Guedes de Guedes, afirmou que o Bolsa Verde é um ponto de partida e não de chegada. Ele destacou a contribuição do programa para a inclusão socioprodutiva dos beneficiados. “As famílias passam a ser protagonistas das políticas públicas, unindo desenvolvimento ambiental com desenvolvimento sustentável e social”, disse.


A diretora do Departamento de Extrativismo do MMA, Juliana Simões, adiantou que o próximo passo, agora, será incluir no Bolsa Verde o monitoramento da biodiversidade, como as ararinhas azuis que serão reintroduzidas na natureza em 2019, na Bahia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Convênio garante mais R$ 1,351 milhão para ações de combate a incêndios em MS
Meio Ambiente

Convênio garante mais R$ 1,351 milhão para ações de combate a incêndios em MS

26/09/2020 17:06
Convênio garante mais R$ 1,351 milhão para ações de combate a incêndios em MS
Governo e setor florestal articulam combate às queimadas e prevenção de incêndios
Meio Ambiente

Governo e setor florestal articulam combate às queimadas e prevenção de incêndios

26/09/2020 16:38
Governo e setor florestal articulam combate às queimadas e prevenção de incêndios
Veterinários do CRAS já trataram 17 animais vítimas das queimadas em MS
Meio Ambiente

Veterinários do CRAS já trataram 17 animais vítimas das queimadas em MS

26/09/2020 10:02
Veterinários do CRAS já trataram 17 animais vítimas das queimadas em MS
Ar seco se espalha e calorão volta, com baixa umidade do ar
Dourados

Ar seco se espalha e calorão volta, com baixa umidade do ar

26/09/2020 07:37
Ar seco se espalha e calorão volta, com baixa umidade do ar
Com provas suficientes, PF poderá indiciar fazendeiros por queimadas no Pantanal
Queimadas

Com provas suficientes, PF poderá indiciar fazendeiros por queimadas no Pantanal

25/09/2020 15:43
Com provas suficientes, PF poderá indiciar fazendeiros por queimadas no Pantanal
Últimas Notícias