Dourados – MS segunda, 20 de maio de 2024
13º
Meio ambiente

Ararinhas-azuis são soltas na natureza 20 anos depois de extinção

A espécie é considerada extinta na natureza desde o ano 2000

11 Jun 2022 - 15h30Por Vitor Abdala, Agência Brasil
As aves que serão soltas fazem parte de um grupo de 52 trazidas de um criadouro da Alemanha para o Brasil, em 2020 - Crédito: camile LugarineAs aves que serão soltas fazem parte de um grupo de 52 trazidas de um criadouro da Alemanha para o Brasil, em 2020 - Crédito: camile Lugarine

Oito ararinhas-azuis (Cyanopsitta spixii) serão soltas hoje (11) em uma área de preservação ambiental no interior da Bahia. A espécie é considerada extinta na natureza desde o ano 2000, quando desapareceu o último animal selvagem, que era acompanhado por pesquisadores.,

As aves que serão soltas - cinco fêmeas e três machos - fazem parte de um grupo de 52 trazidas de um criadouro da Alemanha para o Brasil, em 2020, com o objetivo de reintroduzir a espécie na natureza.

O coordenador do Plano de Ação Nacional para a Conservação da Ararinha-Azul, Antonio Eduardo Barbosa, explica que esse primeiro grupo de oito aves foi escolhido entre os mais aptos a sobreviver na natureza.

“São animais sadios, que têm musculatura de voo, que interagem e que não apresentam comportamento agonístico, isto é, que não brigam com outro. São os animais mais aptos para a soltura”.

As ararinhas-azuis serão soltas com oito araras-maracanã (Primolius maracana), espécie com quem dividia o habitat natural e que tem hábitos semelhantes aos seus.

Nos últimos dois anos, as ararinhas passaram por processo de adaptação em um viveiro instalado na cidade de Curaçá, na Bahia, que envolveu a redução do contato com humanos, o convívio com araras-maracanã, o treinamento do voo, o reconhecimento de predadores e a oferta de alimentos que serão encontrados na natureza.

Para esse projeto de reintrodução, foram criadas, em 2018, duas áreas de preservação nos municípios de Curaçá e Juazeiro: a Área de Proteção Ambiental (APA) da Ararinha-Azul e o Refúgio da Vida Silvestre (Revis) da Ararinha-Azul, que, juntas, somam 120 mil hectares.

“Será uma soltura branda, como chamamos. A gente abre o recinto, mas quer que as aves permaneçam ali. Será ofertada alimentação suplementar durante um ano, para que elas ainda visitem o recinto. Nessa fase experimental, queremos conhecer a dinâmica que as aves vão apresentar”, explica Barbosa.

Essa primeira soltura servirá para que os pesquisadores observem o comportamento da ararinha na natureza, ou seja, os locais que visitam, o que comem etc. Os animais estão marcados com anilhas e transmissores, que permitirão seu rastreamento por alguns meses.

A proposta é soltar mais 12 ararinhas em dezembro deste ano, totalizando 20 aves em liberdade na caatinga. Por enquanto, não há previsão do número de animais que serão soltos a partir de 2023, mas pelo menos parte deles continuará no viveiro de Curaçá como uma reserva para garantir a sobrevivência da espécie, a soltura de novos indivíduos e a reposição das esperadas perdas no ambiente.

Extinção

A ararinha-azul foi descoberta em 1819 e sofreu gradual processo de extinção na natureza, devido a fatores como a destruição do ambiente e a captura para o comércio ilegal de animais silvestres.

Em 1986, a última população selvagem conhecida tinha apenas três indivíduos. O último indivíduo conhecido, um macho, desapareceu em 2000, decretando-se assim a extinção da espécie na natureza.

A ararinha só não desapareceu por completo porque havia cerca de 50 indivíduos vivendo em criadouros espalhados pelo Brasil e o mundo.

Ainda na década de 90, o governo brasileiro começou um projeto de manejo para reprodução desses animais e a negociação do retorno, para o país, de parte das aves que estavam no exterior.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) criou, em 2012, um Plano de Ação Nacional (PAN) para aumentar a população cativa, proteger o habitat e promover a reintrodução da ararinha-azul.

Em 2016, o criadouro alemão Association for the Conservation of Threatend Parrots (ACTP) e o ICMBio lançaram o Projeto de Reintrodução da Ararinha-azul, que permitiria a repatriação dos 52 animais quatro anos depois. Hoje, a população mundial de ararinhas é de quase 200 indivíduos, dos quais três nasceram no viveiro de Curaçá.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Governo de MS e Consulado Geral dos EUA se unem para proteção do Pantanal
Meio ambiente

Governo de MS e Consulado Geral dos EUA se unem para proteção do Pantanal

19/05/2024 06:15
Governo de MS e Consulado Geral dos EUA se unem para proteção do Pantanal
Estudo revela efetividade das ações de conservação ambiental
Meio ambiente

Estudo revela efetividade das ações de conservação ambiental

18/05/2024 16:30
Estudo revela efetividade das ações de conservação ambiental
Seminário vai discutir ação climática e turismo sustentável em Mato Grosso do Sul
Meio ambiente

Seminário vai discutir ação climática e turismo sustentável em Mato Grosso do Sul

18/05/2024 06:15
Seminário vai discutir ação climática e turismo sustentável em Mato Grosso do Sul
Descarte correto de lâmpadas fluorescentes: compromisso com um agora mais sustentável
Meio ambiente

Descarte correto de lâmpadas fluorescentes: compromisso com um agora mais sustentável

16/05/2024 13:00
Descarte correto de lâmpadas fluorescentes: compromisso com um agora mais sustentável
MS participa do maior evento de observação de aves da América Latina
Avistar Brasil

MS participa do maior evento de observação de aves da América Latina

16/05/2024 12:45
MS participa do maior evento de observação de aves da América Latina
Últimas Notícias