Dourados – MS quinta, 23 de maio de 2024
30º
Adoção

Judiciário quer aprimorar entrega voluntária de crianças

O CNJ estabelece as condições em que os tribunais irão atender mães ou gestantes que manifestarem a intenção de entrega do filho

29 Jun 2022 - 13h15Por Agência CNJ de Notícias
A norma em elaboração pretende evitar o abandono e a adoção à revelia da lei - Crédito: Marcelo Casal Jr/Agência BrasilA norma em elaboração pretende evitar o abandono e a adoção à revelia da lei - Crédito: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

A criação de um sistema humanizado e capacitado para acolher a mãe que cogita entregar o filho ou a filha para adoção é um debate que vem movimentando representantes do Poder Judiciário e especialistas. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) está na fase final da elaboração de uma proposta de resolução que dispõe sobre a entrega de crianças para fins de adoção no âmbito dos Tribunais de Justiça, conforme definido pela Lei 13.509/2017, que incluiu a possibilidade no Estatuto da Criança e Adolescente (ECA).

Questões como a articulação interinstitucional entre Judiciário e o sistema de garantias e o prazo para a mãe desistir da entrega legal, entre outras, foram tratadas durante a consulta pública realizada pelo CNJ entre 26 de abril e 20 maio e na audiência pública em 1º de junho. A consulta pública recebeu 280 sugestões, que estão sendo analisadas pelo Fórum Nacional da Infância e da Juventude (Foninj).

A audiência pública também trouxe importantes contribuições ao debate, destaca o conselheiro do CNJ e presidente do Foninj, Richard Pae Kim. “Com esse processo de construção dialogado com todos os envolvidos nos procedimentos previstos na lei, com o desejo de acertar e de fazer cumprir a Constituição e especialmente dar tratamento adequado e humanizado a todos os direitos das crianças e das mães que se encontrem nessa difícil posição, é que pretendemos apresentar uma normativa qualificada ao Plenário do CNJ e ao Sistema de Justiça.”

A norma em elaboração pretende evitar o abandono e a adoção à revelia da lei, conta o secretário-geral do CNJ, Valter Shuenquener. “Queremos evitar que crianças sejam deixadas nas ruas, em latas de lixo, hospitais e locais insalubres. Também nos preocupam as adoções irregulares, que podem representar riscos, com lares despreparados para garantir a proteção das crianças.”

Em 2020, foram registradas 1.012 entregas voluntárias no Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA). O número cresceu no ano seguinte, chegando a 1.238 entregas e, em 2022, já foram recebidas 484 crianças com adoções já encaminhadas.

Privacidade

Na proposta em debate, o CNJ estabelece as condições em que os tribunais irão atender mães ou gestantes que manifestarem a intenção de entrega do filho. Nas situações em que essa declaração ocorrer em hospitais, maternidades, unidades de saúde, conselhos tutelares, instituições de ensino e outros órgãos do sistema de garantias, essas mulheres deverão ser encaminhadas, sem constrangimentos, à Vara da Infância e Juventude para dar início ao procedimento judicial e atendimento por parte de equipe especializada.

O atendimento será feito em local que resguarde a privacidade da mulher, com encaminhamento da demanda ao Ministério Público para a formalização do pedido em tramitação judicial prioritária e em segredo de Justiça. Caso a mãe ou a gestante não possua advogado, será orientada por membro da Defensoria Pública. A norma também estabelece que a gestante deve ser informada sobre o direito ao sigilo do nascimento, inclusive, em relação aos membros da família extensa e ao suposto pai biológico.

Nas situações em que não for solicitado sigilo sobre o nascimento e a entrega da criança recém-nascida, a mãe deverá ser consultada sobre a possibilidade de que integrantes da família extensa sejam ouvidos. Na hipótese de renúncia expressa do sigilo sobre o nascimento, a busca de familiares respeitará o prazo de 90 dias, prorrogáveis por igual período.

O CNJ também sugere aos tribunais que capacitem profissionais da magistratura e das equipes das Varas da Infância e Juventude para o desenvolvimento da atuação intersetorial e sobre procedimentos para a entrega legal para adoção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mãe de sete filhos tenta reconstruir lar após roubo e invasão
Cotidiano

Mãe de sete filhos tenta reconstruir lar após roubo e invasão

23/05/2024 14:30
Mãe de sete filhos tenta reconstruir lar após roubo e invasão
Senai e Energisa abrem 100 vagas para curso de eletricista com turma exclusiva para mulheres
Parceria

Senai e Energisa abrem 100 vagas para curso de eletricista com turma exclusiva para mulheres

23/05/2024 13:15
Senai e Energisa abrem 100 vagas para curso de eletricista com turma exclusiva para mulheres
Prefeitura abre inscrições para participação na Festa Junina 2024
Dourados

Prefeitura abre inscrições para participação na Festa Junina 2024

23/05/2024 13:00
Prefeitura abre inscrições para participação na Festa Junina 2024
Banda da Apae tocará em abertura do Congresso sobre Regularização Fundiária do TJMS
Judiciário

Banda da Apae tocará em abertura do Congresso sobre Regularização Fundiária do TJMS

23/05/2024 12:45
Banda da Apae tocará em abertura do Congresso sobre Regularização Fundiária do TJMS
MS leva capacitação sobre seus destinos turísticos a profissionais do setor nos 30 anos de BNT Merco
Turismo

MS leva capacitação sobre seus destinos turísticos a profissionais do setor nos 30 anos de BNT Merco

23/05/2024 12:30
MS leva capacitação sobre seus destinos turísticos a profissionais do setor nos 30 anos de BNT Merco
Últimas Notícias