Dourados – MS quarta, 19 de janeiro de 2022
Dourados
37º max
25º min
Vidas negras importam

“Covid-19 é mais letal entre negros e subnotificações mascaram o racismo”

22 Jun 2020 - 13h09Por Valéria Araújo
“Covid-19 é mais letal entre negros e subnotificações mascaram o racismo” -

Dados do Ministério da Saúde mostram que a Covid-19 é mais letal entre os negros. Há uma morte para cada três brasileiros negros hospitalizados com coronavirus, enquanto entre brancos a proporção é de uma morte a cada 4,4 internações. Até maio, mais da metade dos negros que se internaram em hospitais no Brasil para tratar casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), com confirmação de covid-19, morreu.

Esta é a constatação de uma nota técnica assinada por 14 pesquisadores do NOIS (Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde) da Puc (Pontifícia Universidade Católica) do Rio de Janeiro, em que foram analisados 29.933 "casos encerrados" de covid-19 (ou seja, com óbito ou recuperação). Dos 8.963 pacientes negros internados, 54,8% morreram nos hospitais. Entre os 9.988 brancos, a taxa de letalidade foi de 37,9%.

Em Dourados, a coordenadora do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros (Neab) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Cláudia Cristina Ferreira Carvalho, explica que a diferença de letalidade entre brancos e negros pode ser ainda maior devido a subnotificação.

Levando em conta que no Brasil, os dados do Ministério da Saúde sequer eram separados por cor no início da pandemia e que os boletins só passaram a incluiros números quase um mês e meio depois da confirmação do primeiro caso de Covid-19,  graças à pressão da Coalizão Negra por Direitos, a coordenadora acredita que a vulnerabilidade social é o principal motivo da letalidade maior entre negros.

“A Covid 19 é doença  que expõe, de maneira  radical, a desigualdade na sociedade brasileira e o fato da população negra, assim como a indígena, ser mais vulnerável, é justamente porque ela quem está muito mais concentrada na periferia das cidades onde os acessos aos serviços de proteção sanitárias, conforme a recomendação da Organização Mundial da Saúde, não chegam. Boa parte dessa população negra se vê ainda obrigada a ir para o seu trabalho precarizado, sobretudo as empregadas domésticas,  as diaristas, que estão mais vulneráveis tendo em vista que as patroas brancas dificilmente as dispensam do trabalho. Basta a gente lembrar o caso recente, em que um garoto de cinco anos morreu ao cair do 9º andar de um prédio, depois que a mãe, negra e diarista, teve que deixar o filho com a patroa para sair para o passeio do cachorro da madame”, destaca.

 As condições sanitárias dos negros também são as mais precarizadas. “Geralmente são residências com o número maior de pessoas, onde não se  tem condição de fazer isolamento. Ainda há uma questão que agrava  que são as subnotificações ou as não notificações da Covid -19, que é uma forma, inclusive, de mascarar o racismo estrutural no qual nós vivemos. Se você pegar como referência as últimas manifestações que aconteceram Estados Unidos e as matérias que foram veiculadas no Brasil toda a plataforma dos comentários que falavam sobre o racismo era formada por profissionais brancos.  Hoje a gente vive numa sociedade em que a branquitude  é um privilégio enquanto que em relação a negritude, a sociedade ainda se assenta no fosso  muito profundo das desigualdades raciais”, explica.

A pesquisadora ressalta ainda outro motivador das mortes: o racismo estrutural, termo usado para reforçar o fato de que há sociedades estruturadas com base na discriminação que privilegia algumas raças em detrimento das outras. No Brasil, nos outros países americanos e nos europeus, essa distinção favorece os brancos e desfavorece negros e indígenas.Segundo Claudia Carvalho, ele está presente em todas as instituições. “Um exemplo é que acontece em relação a violência. De ambos os lados o negro é o que mais morre. No caso de violência policial as maiores vítimas são os jovens negros e do outro lado, os policias que mais morrem também são os negros devido a precariedade financeira que o impõe a fazer serviços extras”. 

Para Claudia Carvalho é através da educação que se pode vencer a barreira do racismo enraizado na sociedade. Ela cita, por exemplo as políticas de cotas raciais em que pessoas que não têm o fenótipo da raça, principalmente nos cursos de maior poder aquisitivo como os cursos de medicina, direito e engenharia; fator que contribui para que a desigualdade se perpetue. “As políticas de cotas nas universidades ainda é um desafio, em que boa parcela da população é contra. O reflexo pode ser observado na própria universidade, onde uma minoria dos professores e administradores são negros”, destaca.

O tratamento é desigual. “Não precisa ir longe. Em Dourados mesmo, muitos jovens são abordados apenas por estar em batalhas de rap em que a música é inofensiva, enquanto jovens de bairros elitizados e que fazem o uso de drogas não são”, exemplifica observando que o caminho é a educação e as políticas públicas com olhar voltado a todas as questões que envolvem as desigualdades sociais.

 

Disparidades

Um estudo liderado por pesquisadores da PUC-Rio e divulgado no último dia 27 de maio evidencia ainda mais essas disparidades. Em termos de óbitos por Covid-19, pessoas sem escolaridade têm taxas três vezes maiores (71,3%) em relação àqueles com nível superior (22,5%). Combinando raça e índice de escolaridade, o cenário fica ainda mais desigual: pretos e partos sem escolaridade morrem quatro vezes mais pelo novo coronavírus do que brancos com nível superior (80,35% contra 19,65%). Considerando a mesma faixa de escolaridade, pretos e pardos apresentam proporção de óbitos 37% maior, em média, do que brancos.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Por que mulheres têm mais chance de morrer se operadas por cirurgiões homens?
Cotidiano

Por que mulheres têm mais chance de morrer se operadas por cirurgiões homens?

19/01/2022 16:00
Por que mulheres têm mais chance de morrer se operadas por cirurgiões homens?
Edital de Convocação
Edital

Edital de Convocação

19/01/2022 14:55
Edital de Convocação
Edital de Proclamas nº 29.171
Edital

Edital de Proclamas nº 29.171

19/01/2022 14:03
Edital de Proclamas nº 29.171
Quarta-feira típica de verão com sol, calor e chuvas em Mato Grosso do Sul
Meteorologia

Quarta-feira típica de verão com sol, calor e chuvas em Mato Grosso do Sul

19/01/2022 07:59
Quarta-feira típica de verão com sol, calor e chuvas em Mato Grosso do Sul
Edital de Convocação de Assembleia Geral Extraordinária
Edital

Edital de Convocação de Assembleia Geral Extraordinária

19/01/2022 07:00
Edital de Convocação de Assembleia Geral Extraordinária
Últimas Notícias