Dourados – MS sábado, 18 de maio de 2024
25º
Debate

Atuação do poder público é essencial para atendimento de pessoas autistas

Kenya Diehl foi diagnosticada com TEA aos 9 anos de idade e, hoje, aos 39, além de escritora, é palestrante e consultora no assunto

02 Jul 2022 - 18h15Por Thayara Martins, Agência CNJ de Notícias
Ciclo de Debates da Comissão Permanente de Políticas Sociais e de Desenvolvimento do Cidadão do CNJ sobre autismo - Crédito: Rômulo Serpa/CNJCiclo de Debates da Comissão Permanente de Políticas Sociais e de Desenvolvimento do Cidadão do CNJ sobre autismo - Crédito: Rômulo Serpa/CNJ

O transtorno do espectro autista (TEA) não é uma doença, é uma hipersensibilidade aos estímulos do ambiente. A observação é da escritora Kenya Diehl, palestrante da 1ª edição do Ciclo de Debates da Comissão Permanente de Políticas Sociais e de Desenvolvimento do Cidadão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O evento foi realizado na quinta-feira (30/6) e teve o autismo como tema.

Kenya Diehl foi diagnosticada com TEA aos 9 anos de idade e, hoje, aos 39, além de escritora, é palestrante e consultora no assunto. Ela explicou que todas as pessoas com autismo precisam de acompanhamento permanente, mas não todas necessitam fazer uso de medicação. Segundo Diehl, o autismo tem níveis de intensidade e o ideal é que a pessoa possa desenvolver suas habilidades ao máximo respeitando suas características e também as particularidades do transtorno. Para tanto é importante a conscientização de toda a sociedade e capacitação de profissionais, principalmente nas áreas de educação e saúde.

Willian Chimura, ativista e professor na Academia do Autismo, também tem TEA e contou que muitas vezes suas dificuldades e déficits não são respeitados porque ele está no nível 1, considerado o mais brando. “Ah, ele não aprende, não para quieto na sala, não tem o que fazer. Mas tem o que fazer, todas as pessoas aprendem, sempre há o que fazer.” Ele defende que é preciso que o Estado desenvolva mais políticas públicas para auxiliar a conscientização sobre o tema e garantir a inclusão das pessoas autistas na sociedade.

Sobretudo para as famílias mais humildes, o auxílio do poder público é fundamental, como aponta Fátima de Kwant, escritora, palestrante e criadora do projeto internacional de conscientização do autismo, o Autimates. A escritora argumenta que todos merecem um tratamento digno e de qualidade e, diante da complexidade do autismo, é inaceitável que os pais ainda tenham de correr atrás dos seus direitos. “A gente precisa desse olhar humano para essas famílias – mais humildes, sem acesso aos médicos -, porque sem isso elas vão ficar à margem.”

A advogada Fabiani Borges conhece essa realidade de perto. Co-fundadora do Coletivo Autimais, está acostumada a receber familiares de autistas em busca de apoio. Na maioria dos casos, são famílias constituídas apenas pela mãe e sem recursos financeiros. Segundo Fabiani, a quantidade de mães que chegam à porta da Autimais sem informação sobre o transtorno é enorme. “É comum sentirem-se sozinhas quando recebem o diagnóstico do médico e logo pensam que o mundo acabou.”

A advogada, mãe de filho autista e esposa de autista, sonha com o dia em que os órgãos públicos possam levar informação de qualidade com evidência científica sobre o TEA para a sociedade. Além disso, defende políticas públicas que possam ofertar a terapia específica para o autismo no Sistema Único de Saúde e mais incentivo à inclusão de pessoas autistas no mercado de trabalho.

A abertura do debate foi feita pelo presidente da Comissão Permanente de Políticas Sociais e de Desenvolvimento do Cidadão, conselheiro Mário Goulart Maia, que prestou uma homenagem às mães de filhos e filhas autistas. “Sem vocês, essa causa certamente passaria despercebida. Ai daqueles que mexem com as mães de autistas.” A Comissão Permanente tem entre suas competências propor políticas judiciárias de promoção de direitos sociais, em especial relacionados à saúde, à educação e à tutela do meio ambiente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

 53ª edição do Fonaje encerra com a leitura da Carta de Campo Grande
Judiciário

53ª edição do Fonaje encerra com a leitura da Carta de Campo Grande

18/05/2024 13:00
 53ª edição do Fonaje encerra com a leitura da Carta de Campo Grande
18 de maio: Dia Nacional da Luta Antimanicomial
Direitos humanos

18 de maio: Dia Nacional da Luta Antimanicomial

18/05/2024 11:00
18 de maio: Dia Nacional da Luta Antimanicomial
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 30 milhões
Loteria

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 30 milhões

18/05/2024 10:30
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 30 milhões
Mais uma vez MS fica entre os TOP 10 em avistamento de espécies de aves no Global Big Day de maio
Turismo

Mais uma vez MS fica entre os TOP 10 em avistamento de espécies de aves no Global Big Day de maio

18/05/2024 10:00
Mais uma vez MS fica entre os TOP 10 em avistamento de espécies de aves no Global Big Day de maio
Equipe da UFMS participa de segunda etapa de testes das urnas eletrônicas
Brasília

Equipe da UFMS participa de segunda etapa de testes das urnas eletrônicas

18/05/2024 07:45
Equipe da UFMS participa de segunda etapa de testes das urnas eletrônicas
Últimas Notícias