Dourados – MS sexta, 15 de janeiro de 2021
Dourados
29º max
22º min
Influx
Mato Grosso do Sul

No MS, comitiva visita aldeias e articula ações pelo fim da violência contra mulheres no estado

03 Dez 2020 - 09h39Por Da redação
No MS, comitiva visita aldeias e articula ações pelo fim da violência contra mulheres no estado -

Representantes do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) estiveram em Mato Grosso do Sul, nesta terça-feira (1º), para articular ações e coletar informações que subsidiem as políticas de enfrentamento a abusos cometidos contra mulheres na região.

Logo após o desembarque, a comitiva integrada pelos titulares da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM), Cristiane Britto, e da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SNPIR), Esequiel Roque do Espírito Santo, foi até o interior conhecer a realidade dos povos indígenas locais.

"O nosso objetivo é construir projetos que de fato atendam às necessidades das mulheres indígenas. Ouvir e entender melhor o que esperam do Governo Federal", explicou a secretária Cristiane Britto.

"A partir da identificação dos problemas, a ideia é buscarmos soluções para podermos ajudá-las", completou o secretário Esequiel.

Foi a primeira vez que integrantes do Governo Federal estiveram na aldeia Jaguapiru, em Dourados (MS). No local, onde vivem 18 mil pessoas, a maioria dos registros de violência contra a mulher é de casos de estupro de vulnerável. Só nessa segunda-feira (30) foram relatados cinco casos de violência contra a mulher na aldeia.

A representante dos indígenas relatou dificuldades que agravam o problema durante o isolamento imposto pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). "A criança passa fome por causa da quarentena. O alimento que é entregue a cada 30 dias muitas vezes não dura até recebermos de novo. Tem gente que não está recebendo dinheiro do governo. A criança fica doente e, se não temos dinheiro, como vamos arrumar remédio? A gente precisa de um projeto para a gente trabalhar", destacou a mestre tradicional e coordenadora-geral da Organização das Mulheres, Alda da Silva.

O pedido de ajuda foi formalizado pela liderança local com a entrega de uma carta de reivindicações às autoridades federais.

A visita às aldeias seguiu os protocolos de saúde para evitar o contágio e a transmissão da doença. Todos os integrantes do governo foram testados e mesmo após os exames mantiveram os cuidados necessários para preservar o distanciamento social.

Outros compromissos

Ainda em Dourados, os representantes do MMFDH estiveram no hospital universitário onde uma sala lilás será instalada dentro do Instituto Materno Infantil para o atendimento de mulheres e crianças em situação de violência. O projeto, que oferece um serviço integrado de denúncia, acolhimento e perícia, foi apresentado pelo médico responsável, Guido Gomes.

"Conversamos com a Secretaria de Segurança sobre essa parceria. Agora, a superintendência do hospital está montando um termo de cooperação para apresentar à Polícia Civil para poder formalizar o projeto", contou o médico.

Casa da Mulher Brasileira

Em Campo Grande, a titular da SNPM se reuniu com a coordenadora da Casa da Mulher Brasileira (CMB) na capital, Thai Loschi, e a equipe que trabalha no local. O encontro ocorreu na primeira das seis unidades de atendimento integral a mulheres em situação de violência em todo o país. Na oportunidade, a diretora técnica do Sebrae, Maristela França, comemorou o resultado obtido por meio do trabalho realizado para estimular o empreendedorismo entre as mulheres.

"Se olharmos os números do BID, do FMI e do próprio Ministério da Economia no Brasil, se analisarmos a produtividade e o resultado de nós mulheres, todos vão entender, não é porque é mulher, é porque é negócio", ressaltou a parceira do projeto.

Somente neste ano, o espaço, inaugurado em 2015 e considerado referência no trabalho de acolhimento de mulheres no ciclo da violência, recebeu R$ 1,6 mi em investimentos para garantir o funcionamento dos serviços que, em breve, também devem incluir a realização de perícias com o apoio do IML. A unidade que funciona 24h conta com um posto do Ligue 180.

"Se as mulheres não estão tendo acesso ou têm dificuldade em denunciar, a gente tem que chegar com a solução e temos vários desafios. Por exemplo, de que maneira devemos falar sobre denúncia com a mulher indígena que às vezes não tem acesso à internet?", alertou a secretária Cristiane Britto ao comentar o aumento dos casos de violência contra a mulher nas aldeias e o esforço do governo em incentivar o registro de denúncias.

Ela também frisou que novos canais de atendimento gratuitos foram disponibilizados para o registro de denúncias durante 24h. É possível acionar o Disque 100 (Disque Direitos Humanos) e o Ligue 180 (Central de Atendimento à Mulher) pelo aplicativo Direitos Humanos Brasil, pelo site da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH), pelo Telegram e, mais recentemente, pelo Whatsapp. Saiba mais.

Doações

A agenda de compromissos oficiais foi finalizada na capital sul-mato-grossense durante visita à Aldeia Urbana Marçal de Souza. Na oportunidade, foi concluída a entrega de cestas de alimentos. Os produtos disponibilizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) foram doados pela Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM/MMFDH) e distribuídas pela Subsecretaria de Políticas para Mulheres de Mato Grosso do Sul (SPPM/MS).

"Graças a Deus temos pessoas como vocês que estão pensando políticas para as mulheres indígenas", agradeceu o vice-cacique, Rodrigo Soares.

Ao todo, 1,7 mil cestas foram distribuídas para mulheres indígenas, rurais e quilombolas dos municípios de Nioaque, Corguinho, Bonito, Aral Moreira, Dourados, Sidrolândia, Marçal de Souza e Água Bonita. O restante foi entregue para mulheres em situação de violência, atendidas no Centro Especializado de Atendimento Mulher (CEAM) e pelo Projeto Nova, em Campo Grande.

"Esse momento de pandemia é um tempo onde não temos onde buscar o sustento. Essas cestas são muito importantes", finalizou a cacica Alicinda da Aldeia Agua Bonita.

Campanha

A visita ao estado faz parte das iniciativas da SNPM para os 16 Dias pelo Fim da Violência Contra a Mulher, um movimento proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU). A ação realizada nesse período ocorre todos os anos, em mais de 150 países, com atividades de conscientização e mobilização.

No Brasil, os eventos são promovidos durante 21 dias. A programação começa de forma antecipada em 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, e vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Primeiro Prosseguir do ano aponta 2 municípios em grau extremo e 34 em alto risco
Covid-19

Primeiro Prosseguir do ano aponta 2 municípios em grau extremo e 34 em alto risco

14/01/2021 15:55
Primeiro Prosseguir do ano aponta 2 municípios em grau extremo e 34 em alto risco
Mais um balão com satélite cai em fazenda de MS
tecnologia

Mais um balão com satélite cai em fazenda de MS

14/01/2021 09:17
Mais um balão com satélite cai em fazenda de MS
1° Prosseguir do ano aponta 34 municípios em bandeira vermelha e nenhuma cidade com baixo risco
saúde

1° Prosseguir do ano aponta 34 municípios em bandeira vermelha e nenhuma cidade com baixo risco

14/01/2021 07:49
1° Prosseguir do ano aponta 34 municípios em bandeira vermelha e nenhuma cidade com baixo risco
Bombeiros atuam em resgate de famílias desabrigadas pela chuva em Corumbá
chuvas

Bombeiros atuam em resgate de famílias desabrigadas pela chuva em Corumbá

13/01/2021 13:40
Bombeiros atuam em resgate de famílias desabrigadas pela chuva em Corumbá
Governo garante segurança alimentar para 18 mil famílias indígenas de MS
Cidades

Governo garante segurança alimentar para 18 mil famílias indígenas de MS

12/01/2021 16:59
Governo garante segurança alimentar para 18 mil famílias indígenas de MS
Últimas Notícias