Dourados – MS sábado, 21 de maio de 2022
São Paulo
23º max
11º min
Brasil

Um terço das mulheres gestantes seguem encarceradas após audiência de custódia

05 Mai 2022 - 13h38Por Agência CNJ de Notícias
Um terço das mulheres gestantes seguem encarceradas após audiência de custódia
 - Crédito: Regina Bandeira/CNJ Crédito: Regina Bandeira/CNJ

Apesar de avanços legislativos assegurarem direitos mínimos às mães em privação de liberdade e a seus filhos, pesquisa elaborada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) revela violações aos direitos dessas pessoas.

Os dados do levantamento que investigou a realidade da gestação, lactação, maternidade e da primeira infância nos contextos do sistema prisional e do sistema socioeducativo foram apresentados, no Seminário Nacional do Pacto pela Primeira Infância.

O relatório contém cerca de 150 análises quantitativas, entre gráficos e tabelas. Além do cruzamento de dados, de análise de normas e decisões judiciais, a pesquisa também entrevistou 200 pessoas de 18 comarcas em cidades de pequeno, médio e grande porte, entre defensores públicos, membros do Judiciário e do Executivo estadual e municipal.

Segundo a pesquisadora do Pnud Luciana Garcia, por conta da pandemia da Covid-19, não foi possível fazer as entrevistas com as mulheres presas nem as adolescentes internadas.

Leia o Diagnóstico “Mulheres presas e adolescentes em regime de internação que estejam grávidas e/ou que sejam mães de crianças até 6 anos de idade”

De acordo com a pesquisa, em 2020, 31,6% de gestantes ouvidas em audiências de custódia tiveram prisão preventiva decretada – em tendência de redução em relação aos anos anteriores.

O número de mulheres não grávidas foi levemente superior (42,4%).Em 2016, o percentual de mulheres grávidas ou não grávidas sentenciadas com prisão preventiva após audiência de custódia chegava a quase 50%.

O estudo revela ainda que o número de mulheres presas gestantes ou de adolescentes em regime de internação no sistema socioeducativo grávidas ou com filhos de até seis anos de idade está diminuindo nos últimos anos. No entanto, ainda há violações de direitos que podem ser evitadas.

A pesquisadora do Pnud Paola Stuker cita como exemplo a que não está observado integralmente o habeas corpus coletivo julgado pelo STF em 2018, que orientou que seja convertida a prisão preventiva de mulheres gestantes ou mães de crianças até 12 anos em prisão domiciliar.

“As normas legislativas não têm sido aplicadas de maneira integral pelo Judiciário”, afirma Paola Stuker. Considerada a fase mais decisiva do desenvolvimento humano, especialistas recomendam que as crianças na primeira infância vivam em condições saudáveis, em ambientes seguros e acolhedores.

“Certamente uma realidade muito diferente da que vemos nas penitenciárias e nas unidades do sistema socioeducativo.”

“Precisamos que a criança esteja com a mãe, pois já sabemos todas as consequências que essa privação pode causar”, destaca a psicóloga Manuela Amorim, coordenadora de Atenção às Mulheres e Grupos Específicos do Departamento Nacional Penitenciário (Depen).

O levantamento reuniu diversas informações de mais de 10 bases de dados, tanto do CNJ como de outras entidades, como o Instituto Alana.

O cruzamento das informações de sistemas do Conselho com o Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal é considerado uma inovação importante e um dos maiores ganhos desse trabalho. Ele permitiu obter informações mais detalhadas sobre as mulheres presas, como renda, cor e escolaridade, entre outras.

A pesquisa qualitativa destacou questões estruturais que impedem o levantamento de dados estatísticos do perfil dessas mulheres. Conforme identificado pelas pesquisadoras Luciana Garcia e Thais Duarte, “o racismo que fundamenta o sistema penal brasileiro estende-se ao sistema de proteção da primeira infância e orienta tanto os posicionamentos sobre o exercícios da maternidade pela mulher considerada criminosa como a fragilidade do desenho de políticas públicas que sequer conhecem o perfil das mulheres que são mães e de seus filhos”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Inscrições para prêmio da Unesco no Brasil sobre notícias e fotos de oceanos terminam este domingo
Meio ambiente

Inscrições para prêmio da Unesco no Brasil sobre notícias e fotos de oceanos terminam este domingo

12/05/2022 20:15
Inscrições para prêmio da Unesco no Brasil sobre notícias e fotos de oceanos terminam este domingo
Primeira fase do Internet Brasil vai distribuir cerca de 700 mil chips
Internet Brasil

Primeira fase do Internet Brasil vai distribuir cerca de 700 mil chips

05/05/2022 17:19
Primeira fase do Internet Brasil vai distribuir cerca de 700 mil chips
Raiva mata três crianças em Bertópolis (MG)
Brasil

Raiva mata três crianças em Bertópolis (MG)

03/05/2022 15:30
Raiva mata três crianças em Bertópolis (MG)
PF desarticula organização criminosa que promovia pirâmide financeira
Brasil

PF desarticula organização criminosa que promovia pirâmide financeira

03/05/2022 13:30
PF desarticula organização criminosa que promovia pirâmide financeira
Primeira fase do Internet Brasil vai distribuir cerca de 700 mil chips
Brasil

Primeira fase do Internet Brasil vai distribuir cerca de 700 mil chips

29/04/2022 21:00
Primeira fase do Internet Brasil vai distribuir cerca de 700 mil chips
Últimas Notícias