Dourados – MS segunda, 27 de setembro de 2021
Dourados
37º max
20º min
Institucional - Setembro
Brasil

Juristas discutem balizas para liberdades de expressão e de imprensa

03 Set 2021 - 16h30Por Agência CNJ de Notícias
Juristas discutem balizas para liberdades de expressão e de imprensa - Crédito: Luiz Silveira/CNJ. Arte: CNJ Crédito: Luiz Silveira/CNJ. Arte: CNJ

Depois que o debate político invadiu as redes sociais, as denúncias de abusos das liberdades de expressão e de imprensa extrapolaram o ambiente virtual da internet e chegaram à Justiça, especialmente nos últimos anos.

Os limites legais dessas liberdades fundamentais foram o foco do debate que reuniu, na quinta-feira (26/8), o procurador-geral da República, Augusto Aras, o desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), Ney Bello, e o desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) Amaury Moura Sobrinho, no segundo painel do Webinário Imprensa, Democracia e Poder Judiciário, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Aras afirmou que a Constituição estabeleceu balizas éticas ao tratar as liberdades de expressão e de imprensa como direitos fundamentais, sem deixar de proteger os direitos à privacidade e intimidade dos cidadãos. Contra a censura prévia,

Aras lembrou o mecanismo que prevê a possibilidade de questionamento a qualquer abuso da "livre a manifestação do pensamento" a posteriori – no caso específico, após a publicação das informações por empresa de comunicação.

O procurador-geral da República lembrou da responsabilidade do trabalho da imprensa para se evitar ataques à honra de quem é alvo de publicação de informações inverídicas, mas também ao próprio Estado Democrático de Direito.

"O Estado de Direito é aquele que se opõe ao estado de arbítrio.

O Estado de Direito é o estado de submissão à lei, é o estado do império do direito, e esse estado impõe a verdade, a memória, para que todos tenhamos segurança jurídica.

Toda vez que uma matéria é divulgada na imprensa e os fatos e as fontes não correspondem à verdade, atenta-se contra o Estado de Direito, pois cria-se um estado artificial, com graves riscos não só para a honra dos destinatários da notícia, mas também para a própria noção da sociedade, que tem na liberdade de imprensa a sua primeira das salvaguardas."

De acordo com o desembargador do TRF1 Ney Bello, a liberdade de expressão não pode servir de pretexto para – paradoxalmente – encobertar ameaças a si própria. 

O magistrado afirmou que o Brasil convive atualmente com inimigos internos da democracia que se aproveitam de um momento histórico, em que há overdose comunicativa e um sentimento generalizado de anti-intelectualismo, para impor sua agenda, por meio das "pequenas televisões de bolso", com fake news, pós-verdade, notícias inverossímeis, interpretações distorcidas, análises parciais sobre fatos sobre os quais não se tem compromisso com a verdade.

"Eu não posso, ao argumento da liberdade de comunicação, nem agredir a democracia de dentro para fora, nem utilizar esses canais hiperbolizados para conduzir o pensamento específico daqueles que estão lendo ou consumindo a notícia através de suas pequenas grandes telas."

O magistrado defendeu mudanças na legislação, como, por exemplo, regulamentação da liberdade da expressão na internet para banir o anonimato nas redes sociais que se materializa no impulsionamento de publicações por robôs, além da possibilidade de se responsabilizar as plataformas de comunicação para coibir excessos de liberdade de expressão.

O desembargador Ney Bello apoiou a necessidade de uma decisão do Supremo Tribunal Federal, a exemplo das supremas cortes dos Estados Unidos da América e da Alemanha, para separar a conclamação pública ao cometimento de ilícitos da liberdade de expressão.

Responsabilidade individual

O desembargador do TJRN Amaury Moura Sobrinho defendeu que a atitude individual também pode ajudar a prevenir abusos da liberdade de expressão.

Afirmou que não repassar informações e notícias duvidosas e sem procedência verificada ou verossimilhança é um método para evitar a proliferação desta "prática tão odiosa quanto nefasta", que causa descrédito social ao trabalho da imprensa e compromete a formação do pensamento, os juízos de valor do povo e a própria participação na vida pública dos cidadãos.

"Nós, magistrados, podemos contribuir para o banimento dessa prática, na seleção do conteúdo que nos é repassado e, por descuido ou convicção pessoal, encaminhamos para divulgar notícias e factoides sem certeza da veracidade ou origem.

Nós também temos parcela de responsabilidade para evitar, o quanto possível, a propagação desse tipo de prática de divulgação de notícias inverídicas", afirmou.

O coordenador do webinário, conselheiro do CNJ Emmanoel Pereira, ressaltou a importância dos debates sobre liberdade de expressão dentro do Poder Judiciário.

"A liberdade de expressão é um direito fundamental, inalienável, inerente de todas as pessoas, requisito de sociedade democrática.

Aqui (no evento), nós tentamos trazer uma luz a todos que participam do encontro sobre o verdadeiro significado dessa expressão que é tão usada nos dias de hoje: liberdade de expressão."

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil

Capes lança edital para projetos sobre impactos da pandemia

há 33 minutos atrás
Energia térmica, mais cara e suja, vai pesar no seu bolso até 2025
Brasil

Energia térmica, mais cara e suja, vai pesar no seu bolso até 2025

27/09/2021 17:30
Energia térmica, mais cara e suja, vai pesar no seu bolso até 2025
Ibama rejeita pedidos de flexibilização de regras ambientais feitos pelo Ministério da Economia
Brasil

Ibama rejeita pedidos de flexibilização de regras ambientais feitos pelo Ministério da Economia

27/09/2021 12:30
Ibama rejeita pedidos de flexibilização de regras ambientais feitos pelo Ministério da Economia
Inscrições do Enem para isentos ausentes em 2020 terminam domingo
Brasil

Inscrições do Enem para isentos ausentes em 2020 terminam domingo

24/09/2021 17:00
Inscrições do Enem para isentos ausentes em 2020 terminam domingo
Em liminar, Barroso proíbe entrada de missões religiosas em terras indígenas
Brasil

Em liminar, Barroso proíbe entrada de missões religiosas em terras indígenas

24/09/2021 15:30
Em liminar, Barroso proíbe entrada de missões religiosas em terras indígenas
Últimas Notícias