Dourados – MS quarta, 14 de abril de 2021
Dourados
31º max
22º min
Influx - Campanha 2021
Brasil

Agenda 2030 integra Justiça brasileira à inovação, diz conselheira

02 Mar 2021 - 11h30Por Agência CNJ de Notícias
Agenda 2030 integra Justiça brasileira à inovação, diz conselheira - Crédito: Luiz Silveira/Agência CNJ Crédito: Luiz Silveira/Agência CNJ

O Poder Judiciário vem se integrando à mudança de paradigmas com as novas frentes de atuação que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) criou recentemente: o Laboratório de Inovação, Inteligência e ODS (LIODS), o Observatório do Meio Ambiente do Poder Judiciário e o Observatório dos Direitos Humanos do Poder Judiciário.

De acordo com a conselheira Maria Tereza Uille Gomes, essas novas frentes abrem a Justiça à inovação e aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável promovidos pela Organização das Nações Unidas (ODS) e consolidados na Agenda 2030.

A avaliação foi feita na ´ltima quinta-feira (25/2), segundo dia do webinário Justiça 4.0.

O evento é uma iniciativa conjunta do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do Conselho da Justiça Federal (CJF) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), para a apresentação dos recursos tecnológicos disponíveis para os tribunais ampliarem a prestação digital de serviços judiciais.

Criado em 2019, o LIODS estimula o CNJ e o Judiciário a adotarem iniciativas que contemplem pilares da Agenda 2030, como a paz, a justiça e a eficiência institucional, por meio de metodologias que unam conhecimento, inovação, cooperação e horizontalidade.

No Judiciário, o LIODS discute soluções conjuntas e pacíficas para melhorar a gestão pública, evitar excesso de judicialização, além de fomentar a transparência e o desenvolvimento sustentável no funcionamento dos órgãos da Justiça.

Para isso, já conta com uma rede de 16 laboratórios semelhantes instituídos em tribunais pelo país.

De acordo com a conselheira, que preside a Comissão Permanente de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 2030, a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) evidenciou a necessidade de se discutir o meio ambiente no planejamento estratégico do setor público, o que a Agenda 2030 prevê desde sua criação, em 2015.

"Nesse Observatório (do Meio Ambiente do Poder Judiciário), precisamos mostrar aos juízes a importância de os magistrados enxergarem muito além dos processos, de terem sob seu comando as informações de onde as florestas estão sendo desmatadas, onde há incêndio e destruição do meio ambiente para que as medidas possam ser tomadas, inclusive em fase pré-processual, com uma resposta ágil que de fato envolva o Judiciário na proteção ambiental e da qualidade do ar que respiramos."

Uma proposta apresentada no Observatório dos Direitos Humanos se tornou uma recomendação do CNJ a magistrados de todo o país na última terça-feira (23/2), quando o Conselho aprovou um ato normativo contra o despejo de famílias em estado de vulnerabilidade que ocupem imóveis durante a pandemia.

A iniciativa original foi do presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Walmor Oliveira de Azevedo.

Desde o início da pandemia, 79 despejos já deixaram 9,1 mil famílias desabrigadas e cerca de 65 mil outras famílias estão ameaçadas em ações que correm na Justiça, de acordo com levantamento do Observatório Nacional de Despejos/Campanha Despejo Zero.

Para Maria Tereza, o papel do CNJ vai além muito do controle administrativo ou disciplinar. "O Conselho exerce papel fundamental de planejamento de ações, com olhos para o futuro, com inovação, tecnologia, fazendo com que magistrados e servidores consigam encontrar soluções para problemas complexos e mostrar que é possível colocar em primeiro lugar o que é mais importante, a dignidade da pessoa humana e o respeito às condições em que vivemos no planeta."

Salto tecnológico
Os impactos da pandemia da Covid-19 no funcionamento da Justiça também foram analisados pelo doutor em Comunicação pela PUC do Rio Grande do Sul Dado Schneider.

No painel "Inovação, pandemia e setor público", o especialista afirmou que a crise sanitária acelerou a incorporação de novas tecnologias, em um movimento que favorece uma mudança qualitativa na oferta de serviços à população.

"Este evento celebra, sacramenta, decreta que a justiça está verdadeiramente fazendo um salto em termos de inovação, de digitalização, de compartilhamento de informações e de entrada definitiva no século 21, numa agenda horizontal de melhor e mais ágil prestação serviços e com maior disponibilidade para o usuário."

Dado Schneider abordou aspectos comportamentais, lembrando que as mudanças tecnológicas, que já eram rápidas antes da pandemia, se aceleraram, trazendo um senso ainda maior sobre a necessidade de adaptação aos novos tempos.

Um exemplo citado por ele foi a agilidade com que os profissionais em geral, e magistrados e servidores do Judiciário, em particular, se adaptaram a ferramentas como Zoom, Teams, Webex e Google Meetings, entre outros.

"A Covid nos transformou digitalmente à força, está mudando nossa relação com o mundo e com a tecnologia e passamos a ser mais digitalizados", disse.

"A partir de agora, não faremos mais, como antes, eventos presenciais com aquele jeitão do século 20, faremos eventos de forma híbrida com a cara do século 21."

Sob esse novo paradigma, Schneider acredita que a tendência no setor público é o emprego da inovação para aprimorar sua relação com a sociedade.

"Esse, por exemplo, é um evento de inovação para que se busque melhores serviços públicos e é isso o que a população está demandando, cada vez mais serviços de qualidade."

Ao falar sobre essas mudanças, o especialista em comunicação mencionou aspectos individuais comentando que não será a idade que definirá o tempo de uma pessoa, mas sua mentalidade e sua relação com um mundo cada vez mais tecnológico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Nova Lei proíbe substituir prisão por pena mais branda em crimes de Trânsito
Mudanças no CTB

Nova Lei proíbe substituir prisão por pena mais branda em crimes de Trânsito

13/04/2021 18:00
Nova Lei proíbe substituir prisão por pena mais branda em crimes de Trânsito
Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação, diz FGV
Economia

Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação, diz FGV

13/04/2021 16:10
Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação, diz FGV
TCE decidiu cancelar o serviço de limpeza urbana em Dourados
Liminar TCE-MS

TCE decidiu cancelar o serviço de limpeza urbana em Dourados

13/04/2021 14:35
TCE decidiu cancelar o serviço de limpeza urbana em Dourados
Aberto prazo para inscrições no programa Brasil na Escola
educação

Aberto prazo para inscrições no programa Brasil na Escola

13/04/2021 14:00
Aberto prazo para inscrições no programa Brasil na Escola
Geral

Entram em vigor parte dos decretos que ampliam acesso a armas de fogo

13/04/2021 12:30
Últimas Notícias