Dourados – MS quarta, 26 de setembro de 2018
Bem-Estar

Setembro Amarelo: Empatia, amizade e estar disposto a ouvir o outro pode salvar vidas

10 Set 2018 - 16h29Por Ana Ostapenko
Setembro Amarelo: Empatia, amizade e estar disposto a ouvir o outro pode salvar vidas - Crédito: Aakshay-Paatil/Unsplash Crédito: Aakshay-Paatil/Unsplash

No Brasil, há um suicídio a cada 45 minutos.  Os dados mundiais indicam que ocorre uma tentativa a cada três segundos e um suicídio a cada 40 segundos no mundo. No total, chega-se a 1 milhão de suicídios no mundo. Provocar o fim da própria vida está entre as principais causas das mortes entre jovens, de 15 a 29 anos, e também de crianças e adolescentes.

No esforço para mudar esses números, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu que a data de 10 de Setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.  Há quatro anos a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), promove a campanha nacional Setembro Amarelo.

Pelos dados da OMS, o suicídio é a terceira causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. É também a sétima causa de morte de crianças entre 10 e 14 anos de idade. Idosos também estão no grupo de mais pessoas que cometem suicídio.

Outro dado importante, homens são os que mais atentam contra a própria vida e mulheres são as que mais tentam, a cada 10 suicídios, 8 são de homens e a cada 10 tentativas, 7 são de mulheres. Dentre as possibilidades de explicação para esses casos está a de que as mulheres desde muito novas são estimuladas a falar, as brincadeiras são mais elaboradas, elas aprendem a se comunicar melhor, enquanto as brincadeiras de meninos são mais ágeis e incisivas, não dando margem a interpretações ou dúvidas, isso acaba que o homem se torna um ser mais impulsivo, principalmente nesses casos.

Conversamos com o psicólogo Renisson Costa Araújo sobre esse assunto tão delicado e foi extremamente esclarecedor. Ele nos contou que o importante quando se trata de alguém que tem a intenção de cometer suicídio, é humanizar o processo, a pessoa precisa saber que o outro está ali, que esse amigo está totalmente disposto a ouvi-lo.


Outro fator preponderante na prevenção é o tempo, ganhar tempo é extremamente importante porque o ato é regido pela impulsividade e se você consegue ter um tempo para conversa, alguma distração como a família ou filhos, na maioria dos casos, as pessoas desistem de cometer o suicídio.

Viver em comunidade também ajuda a pessoa nesses casos, segundo Renisson “a amizade, estrutura familiar e até a religião são fatores protetivos a vida, tudo que envolve relação social ajuda a pessoa a se distanciar da ideia de suicídio”. Então, se você tem um amigo que está passando por uma fase ruim na vida, esteja próximo, esteja pronto, de verdade, para ouvir, para acolher, a empatia é um dos melhores remédios para as pessoas.

 

 

Deixe seu Comentário