Dourados – MS quarta, 15 de agosto de 2018
Eleições 2018

Em debate morno, candidatos ainda se mostram perdidos em relação a alguns temas

10 Ago 2018 - 09h32Por Reuters
Em debate morno, candidatos ainda se mostram perdidos em relação a alguns temas - Crédito: Paulo Whitaker/Reuters Crédito: Paulo Whitaker/Reuters

O primeiro debate entre os candidatos à Presidência da República na eleição de outubro deste ano teve poucos duelos entre adversários e o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, alvo de críticas por sua aliança com os partidos do blocão e o postulante do PSL, Jair Bolsonaro, mantendo opiniões polêmicas como a crítica à política de direitos humanos.

Sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera as pesquisas e está preso em Curitiba cumprindo pena por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, e de qualquer representante petista, os candidatos pareceram ficar sem um alvo fácil para ataques no debate, promovido pela TV Bandeirantes.

O encontro começou com uma troca um pouco mais dura entre Bolsonaro e o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, quando o candidato do PSOL indagou Bolsonaro sobre uma suposta funcionária fantasma dele. Boulos indagou se Bolsonaro sentia vergonha.

“Vergonha eu teria se invadisse a casa dos outros”, respondeu Bolsonaro em referência ao fato de Boulos ser um dos líderes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST).

Boulos classificou Bolsonaro de “representante da velha política corrupta”, enquanto o candidato do PSL classificou o adversário do PSOL de “desqualificado”.

Em outro momento de embate entre ambos, Bolsonaro pediu e levou um direito de resposta quando Boulos disse que ele fora expulso do Exército. O candidato do PSL chegou a pedir um segundo direito de resposta, que foi negado, quando o candidato do PDT, Ciro Gomes, citou um voto dele como parlamentar a favor de uma “droga” contra o câncer. Bolsonaro protestou contra o uso do termo “droga”.

Na sua vez de perguntar, Bolsonaro optou por Alvaro Dias, do Podemos, e chegou a fazer elogios ao rival em uma pergunta sobre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Embora o candidato do PSL tenha repetido opiniões polêmicas, como a de que a política de direitos humanos é uma das responsáveis pela violência e a de que o Estado não deve interferir na disparidade salarial entre homens e mulheres, o duelo com Boulos foi o único em que ele mostrou um pouco mais de exaltação.

“Ele está calmo como esteve nos debates e nas sabatinas”, disse à Reuters o deputado Major Olímpio (PSL-SP), um dos aliados de Bolsonaro, durante um dos intervalos do debate.

Indagado após o debate se estava mais sereno, Bolsonaro disse que sim, pois tinha de agir como “um estadista”.

Ciro e a candidata da Rede, Marina Silva, buscaram em alguns momentos antagonizar com Alckmin. Ciro disse que a abertura econômica por Alckmin seria danosa devido a diferenças competitivas vividas pelo Brasil e criticou a reforma trabalhista aprovada pelo Congresso, defendida pelo tucano.

“Essa reforma trabalhista que o PSDB aprovou, proposta pelo Michel Temer, trouxe uma enorme insegurança”, disse Ciro, que apontou que as mudanças acentuaram o desemprego.

Alckmin voltou a defender a reforma trabalhista, que classificou de um avanço, e disse que sua proposta de abertura econômica será acompanhada de uma agenda de competitividade.

“A reforma trabalhista foi necessária, estimula o emprego”, defendeu o tucano em contraposição.

Marina, por sua vez, atacou Alckmin por sua coligação formada por nove partidos, entre eles os cinco do chamado blocão —formado por PP, DEM, PR, PRB e Solidariedade. A candidata da Rede, durante um duelo sobre educação com o tucano, disse que apesar das propostas dele “o condomínio estava cheio de lobo mau, querendo roubar o dinheiro da vovozinha”, numa referência às siglas do blocão, muitas delas com líderes envolvidos em escândalos.

Alckmin voltou a defender a aliança como necessária para aprovar reformas, como a política, a tributária e a da Previdência.

“Eu quero deixar bem claro que nunca fui do PT, nem fui ministro do governo do PT. Então somos de uma linhagem diferente”, respondeu o tucano a uma das críticas feitas por Marina à sua aliança com o blocão.

Marina foi filiada ao PT e ministra do Meio Ambiente do governo Lula.

PRESIDENTE DO BC DE LULA E LAVA JATO

O candidato do MDB, Henrique Meirelles, chegou a ser taxado por Boulos de “candidato dos banqueiros”, mas aproveitou o encontro para repisar sua história como presidente do Banco Central durante o governo Lula e ministro da Fazendo na gestão de Temer.

Ele insistiu em lembrar que atuou no governo Lula e que, neste período, houve crescimento econômico e ascensão social.

Postulante do Podemos, Alvaro Dias, insistiu em praticamente todas as intervenções que fez na defesa da operação Lava Jato e voltou a repetir que, se eleito, convidará o juiz federal Sérgio Moro para chefiar o Ministério da Justiça.

Além do duelo com Bolsonaro, Boulos foi o candidato que adotou o tom mais combativo durante o debate da Bandeirantes, mirando, além do candidato do PSL, em Alckmin e Meirelles. Ele chegou a afirmar que, no palco do estúdio da Bandeirantes, havia “50 tons de Temer”.

Candidato que sequer é relacionado nas pesquisas, Cabo Daciolo, do Patriotas, também presente no encontro disse ser “o novo” e encerrou a maioria de suas intervenções com a frase “honra ao senhor Jesus”. Ele chegou ao debate carregando uma bíblia e declarando “glória a Deus” aos jornalistas.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Pesquisa mostra Reinaldo Azambuja na liderança das intenções de voto
Eleições 2018

Pesquisa mostra Reinaldo Azambuja na liderança das intenções de voto

13/08/2018 08:21
Pesquisa mostra Reinaldo Azambuja na liderança das intenções de voto
Simone Tebet desiste de concorrer ao governo de MS
Eleições 2018

Simone Tebet desiste de concorrer ao governo de MS

13/08/2018 08:12
Simone Tebet desiste de concorrer ao governo de MS
Morre em Campo Grande o ex-vereador de Dourados Zé do Itahum
Dourados

Morre em Campo Grande o ex-vereador de Dourados Zé do Itahum

10/08/2018 16:25
Morre em Campo Grande o ex-vereador de Dourados Zé do Itahum
Dourados tem pelo menos 13 candidatos à deputado federal e 18 a estadual divididos entre 13 partidos
Vai começar

Dourados tem pelo menos 13 candidatos à deputado federal e 18 a estadual divididos entre 13 partidos

07/08/2018 19:35
Dourados tem pelo menos 13 candidatos à deputado federal e 18 a estadual divididos entre 13 partidos
Eleições 2018

Justiça Eleitoral tem como coibir crimes contra a honra, diz Fux

07/08/2018 17:00
Últimas Notícias