Perícia papiloscopista registra avanços

Categoria é responsável pela classificação e análise de impressões digitais indispensável à identificação


Investimentos
Peritos papilocopistas atuam em casos de identificação civil e também criminal (Foto: Rachid Waqued) Peritos papilocopistas atuam em casos de identificação civil e também criminal (Foto: Rachid Waqued)

DOURADOS – Os peritos papilocopistas, profissionais responsáveis pela classificação, análise e comparações das impressões digitais comemoram os avanços nos trabalhos da categoria. Os profissionais destacam, dentre outras coisas, os investimentos feitos nos últimos quatro anos pelo governo do Estado. O apoio melhorou a atuação dos peritos, principalmente na área de identificação humana através das papiladérmicas.

“Recebemos grandes investimentos, tanto estrutural quanto no aumento do efetivo. Conquistamos ainda a área de arquivamento de prontuário civil que, aperfeiçoará o trabalho dos peritos oferecendo mais rapidez e agilidade na resposta à sociedade”, afirmou o diretor do Instituto de Identificação, perito Celso José de Souza.

Trabalhando na identificação humana, os peritos papiloscopistas atuam ajudando na identificação e solução de casos através da Identificação Civil e Criminal. Na identificação civil, o perito trabalha na coleta de impressões digitais, neste caso, para confecção da carteira de identidade. Na área criminal, o profissional trabalha para fornecer Atestados de Antecedentes Criminais, Boletins de Identificação Criminal (BIC), Retrato Falado, além de pesquisa nos arquivos decadactilares, Identificação de Cadáveres e até mesmo no levantamento de impressões digitais em locais de crime.

IDENTIFICAÇÃO

Dentre as melhorias avaliadas pelo diretor do Instituto de Identificação, está a área de identificação civil. “Os novos investimentos devolvem a eficiência na emissão da Carteira de Identidade. “Recebemos novos equipamentos que possibilitam o perito fazer a coleta das impressões digitais sem o uso da tinta. Através do equipamento de digitalização, os peritos estarão aptos a analisar se a foto da pessoa está bem enquadrada e a assinatura e impressões digitais estão legíveis para serem digitalizadas”, explica.

Além disso, o Instituto de Identificação de Mato Grosso do Sul iniciou o processo de digitalização de seu acervo datiloscópico. A adequação dos bancos de dados deixará a busca de informações sobre identificação mais dinâmica, já que atualmente esta busca é feita manualmente.

Segundo o perito Celso, o Sistema de Identificação Automatizado de Impressão Digital trará mais agilidade para a confecção das carteiras de identidade. O cidadão terá o prazo de apenas cinco dias úteis para pegar a carteira de identificação.

Em Mato Grosso do Sul existem 72 postos de coleta, sendo quatro em Campo Grande e o restante atende a demanda no interior do Estado. Outro investimento lembrado pelo diretor do Instituto é o aumento de mais 12 peritos papiloscopistas para suprir o trabalho da perícia no interior do Estado.

“Ao todo serão 18 peritos papiloscopistas que trabalharão no interior. Em alguns municípios o número de profissionais era pequeno, como Taquarussu, Coxim e Aquidauana ”, lembra Celso.

Para facilitar os sul-mato-grossenses, em casos de necessidade, os peritos papiloscopistas também trabalham na coleta de impressões digitais de pessoas hospitalizadas, deficientes e idosos. Os peritos vão até as residências através de solicitação feita por outros profissionais que iniciam ocorrência e identificam a necessidade do papilocopista.

ÁREA CRIMINAL

Na área de Identificação Criminal, no caso de inquéritos policiais, os peritos trabalham na identificação verdadeira da identidade em ocorrências de homicídio, por exemplo. A perícia também faz o levantamento de impressões papilares no local do crime para a identificação do autor do delito.

Auxiliando a Polícia Civil e o Poder Judiciário, na perícia necropapiloscopista os profissionais trabalham na identificação de cadáveres. “Neste caso, devolvemos a identificação do cadáver, o que ajuda muitas vezes a família a proporcionar um enterro digno ao cidadão”, afirma o diretor.

O perito papiloscopista também trabalha na confecção do retrato-falado, através de entrevistas com a vítima, que apresenta o perfil do procurado, que se aproxima da verdadeira feição do rosto. Atualmente existem três peritos do Estado que participaram de um curso para a aplicação do novo sistema de representação facial, e que já se encontram aptos para a resolução dos casos.

ESTRUTURA

Além de investimentos em equipamentos e aumento no efetivo de peritos papiloscopistas, o governo do Estado proporciona maior infra-estrutura para o Instituto de Identificação, que está temporariamente funcionando na Acadepol, para reforma da estrutura, que fica na sede da Coordenadoria Geral de Perícias.

O instituto vai contar com uma nova área administrativa, recepção, banheiros e sala climatizada para acondicionar de forma adequada os prontuários civis.

“A reforma será primordial para a eficácia dos trabalhos do Instituto de Identificação porque, além de aumentar o número de profissionais, também teremos uma boa estrutura para que o trabalho seja feito com mais eficiência, proporcionando melhores condições aos cidadãos sul-mato-grossenses”, conclui o diretor do Instituto de Identificação. No próximo sábado é comemorado o Dia do Perito Papiloscopista.


Comentários

 
 
 
 
 
 
 
Imóveis Apartamentos Veículos e Utilitários Importados Motos Diversos Telefones Empregos e Oportunidades