Queda do avião: da comoção à revolta!

Por: Benê Cantelli - 05/12/2016 07h54

Sempre há o que pensar num acontecimento como esse. Tocados pelo fato que nos retira da convivência seres que nos foram caros, a emoção nos leva indubitavelmente a comoção. Perdemos o chão. As lágrimas molham o rosto. O pensamento distorce o raciocínio titubeia. O nada e o vazio se amalgamam. A visão escurece. O tudo é nada.

E, nessa hora, Deus, o que é? Juiz? Pai? Culpado? Inocente? Aquele que tudo pode, mas que não faz ou faz quando lhe interessa?

O acaso tem algo a ver? É ele quem decide ou é ao destino que devemos recorrer?

Chegou a hora e, pronto! Alguns decidem fácil. Coisas que ouvi: O goleiro Danilo, considerado por todos, o herói da "batalha" contra o São Lourenço, passou a ser o inconveniente, pois se permitisse o gol dos argentinos, eles não teriam viajado para Colômbia. Sai dessa!!!

Também quero tirar minhas ilações: Perdoe-me Senhor, apenas fazendo um exercício de encontros. Pegando apenas alguns exemplos, passamos a perceber que as "coisas" acontecem em momentos ultra propícios. Os mamonas caíram quando estavam no auge e formavam um grupo novo. Gente que estava começando a sumida. Pobres a caminho de grande riqueza. O Cristiano, emergente no meio sertanejo, morre de uma maneira estúpida e brutal numa estrada. Contudo, vejo acontecer de maneira completamente diferente, outras tragédias, como a do avião da Gol, derrubado por um Legacy. Poucos comentários, e no entanto, foram mais de 200 pessoas mortas.

A decepção quanto ao voo do avião boliviano LA MIA foi para abater qualquer pessoa. Para economizar, desprezaram o perigo iminente. Viajar com pouco combustível. Aliás, o tal voo só aconteceu porque o piloto era ao mesmo tempo o dono do avião. Outro piloto não teria voado. O tão maldito dinheiro, só faz bem para aqueles que sabem como utilizá-lo, é péssimo nas mãos daqueles que o veneram e vivem por ele. Poderiam ter descido em Bogotá, antes de Medellin. Mas tinham que gastar com o uso do aeroporto e mais taxas de embarque, e outros custos. Era muito. Não tanto para o preço pago pelas vidas de 71 pessoas.

Para aqueles que culpam a Deus, podemos dizer que Ele de fato não tem culpa. Dizem: "Nada acontece sem a vontade de Deus", então, se aconteceu é porque Ele assim quis. Na verdade o fato de Deus, ter onipotência sobre tudo e todos, não quer dizer que Ele queria que acontecesse a tragédia. Assim quis os que facilitaram o perigo e a própria tragédia. Podemos até dar um exemplo: Uma pessoa no alto de um prédio se joga em busca do chão, só a ele cabe a penúria e a consequência. Deus, nessas horas, é alavanca dos fracos quando a Ele se impõe a culpa.

Outra consideração a fazer tomando como referência esta tragédia, é a atitude do povo Colombiano que usou os 45 mil lugares do Estádio Atanásio Girardot, onde seria realizado o jogo da Sul Americana. Dizem que outro tanto ou mais, ficaram do lado de fora, e em respeito, oraram juntamente com os que estavam dentro do estádio. Posso afirmar, que muito menos pessoas da cidade de Chapecó estavam no Estádio Arena Conda, no mesmo horário.

Temos aí um confronto daquilo que foi ensinado pelas duas Colonizações, a Espanhola, muito mais religiosa e sensível do que a Portuguesa, dada como sabemos, a tirar de nós o que tínhamos de melhor na época. As duas colonizações foram exploratórias, mas a Espanhola, com muito mais aplicação na Educação e espiritualidade religiosa.

O fato que nos resta a falar é que, mais de 71 famílias, ficaram e ficarão amargando um preço que todo o dinheiro economizado fará decepcionar ainda mais. Que bom, fiquei sabendo que o Seguro nas condições em que aconteceu a tragédia, não cobre nenhum custo para a empresa LIA MAIS. Doravante, outras empresas procurarão dar mais valor à vida, mesmo que custe um pouco mais.

Que Deus os receba em sua glória. Amém.

Obs.: Só uma pergunta: Por que usar um avião boliviano?

Professor e Campista. e-mail: bncantelli1@gmail.com