O maestro dos acontecimentos

Por: Davi Roballo - 14/12/2016 08h47

Atualmente nossos dias estão tão movimentados e repletos de atividades, que não percebemos o quanto estamos desperdiçando nossos momentos em tolices, enquanto o nosso tempo de vida está se esvaindo, mas sempre chega o dia em que devido às ações do próprio tempo todo ser humano se dá conta disso.

Ao atingirmos a idade madura começamos a notar o quanto o tempo é precioso, pois é nessa época que passamos a perceber seus rastros em nossos cabelos e em nossa pele, principalmente na que cobre o rosto. Quando jovens e cheios de vitalidade, sequer cogitamos entender o tempo e os processos que ele impõe tanto às coisas animadas, quanto nas inanimadas. Por mais que tentamos entender o tempo, sempre teremos apenas uma vaga noção sobre o impiedoso maestro dos acontecimentos.

O tempo entre os humanos se tornou o maior enigma que tem atormentado e tirado o sono de muitos filósofos e cientistas. O fascínio por essa entidade invisível que move os ponteiros de um relógio é tão grande, que o homem tem feito de tudo para freá-lo, e mais, sonha um dia poder viajar entre suas extremidades, ou seja, entre o passado e o futuro.

Talvez o homem esteja procurando remediar a frustração adquirida quando passou a fazer uso do pensar e consequentemente percebeu-se mortal. Se um dia for possível, viajar no tempo será uma espécie de travessura em oposição ao tempo, por ele nos encaminhar para a morte ao não conceder-nos a eternidade.

Para alguns o tempo não existe, acreditam que ele seja apenas uma projeção da mente, no entanto, esses mesmos teóricos nada podem fazer contra a ação do próprio tempo em seus corpos. Os Cristãos e os Judeus acreditam que o tempo seja linear e dotado de um inicio e um fim, com acontecimentos irreversíveis, ou seja, jamais se repetirão, o que é nítido na Bíblia Cristã: Gênese o começo dos tempos, Apocalipse o fim dos tempos.

Devido ao fato de terem vivido ligados a questões da natureza, como o fenômeno das marés, mudança de lua, estações etc., os Maias consideravam o tempo como cíclico, repetindo todos os acontecimentos após um determinado período. A Cultura Grega também considerava o tempo como sem começo e sem fim. Como os Gregos tinham determinada obsessão pela perfeição optaram pelo círculo, uma figura perfeita para representar a trajetória do tempo, no qual os acontecimentos sempre se repetem eternamente.

Adentrando aos devaneios filosóficos podemos perceber que o tempo está a todo o momento nos escapando, tanto que usamos expressões próprias para expressar nossa passiva resignação quanto a isso: o tempo urge, o tempo corre, o tempo voa... Este exato momento em que escrevo, na próxima linha já terá sumido, como sumiram todos os rastros das civilizações antigas e os 70 bilhões de seres humanos que já andaram sobre a Terra.

Queiramos ou não, o tempo é implacável, enquanto respiramos ele está apagando lentamente de nossa memória a história de nossos antepassados, tataravôs, bisavôs, avôs, pais, tios etc.. Se nos for perguntado sobre a história de nossos avôs, saberemos apenas fragmentos e a nossos filhos essa mesma história será ainda mais fragmentada, pois o tempo lentamente consume tudo, sem clemência e sem piedade.

Ninguém escapa da inclemência do tempo, um dia ele também irá apagar tudo que diz respeito a nós mesmos, tanto a matéria, quanto a memória, pois não estamos nele, mas ele está atuando em nós desde o nascimento e não irá parar de nos destruir, nem mesmo após nossa morte. Sempre foi assim, e assim sempre será, tanto que um dia irá riscar o homem da história da Terra e mais adiante apagara a própria Terra da história do Universo, pois nada é estável, nada é permanente, tudo é provisório.

O tempo em relação a nós mesmos não passa de uma sucessão de momentos, que somados constituem nossa vida, que por sua vez é limitada e linear, ou seja, nascemos e morreremos. Como o tempo rege nossa vida, nós temos uma data para nascer, outra data para morrer, portanto, desperdiçar nosso tempo é jogar contra nosso maior patrimônio, a nossa própria vida.

Jornalista, Especialista em Comunicação e Marketing / Especialista em Jornalismo Político. e-mail: daviroballo@gmail.com