Não deixe de sonhar

Por: Davi Roballo - 11/01/2017 09h40

Em certa ocasião encontrei um amigo de infância que não via há mais de dez anos, depois de algumas horas de conversa ele me perguntou algo inusitado e até hoje deve estar tentando entender minha resposta. Henrique - vou designá-lo assim -, simplesmente me perguntou o porquê de eu continuar o mesmo sonhador que só realiza parte dos sonhos, mesmo após tantos anos sonhando e lutando para realizá-los.

Como toda pergunta carece de uma resposta, meu velho amigo simplesmente ficou perplexo quando lhe respondi que estabeleço metas a serem alcançadas, porquanto em nossa vida é impossível realizar sonhos em sua total plenitude, ou seja, sonhos são rascunhos desenhados em um mundo fantasioso e que no mundo real não conseguem se concretizar totalmente, mas servem como fatores de motivação e entusiasmo pela vida.

Acredito que os sonhos não existem para serem realizados, mas para nos impulsionar a caminhar pela estrada da vida, não fosse isso, não seriam conduzidos pela esperança. O que tem de serem alcançadas são as metas relativas aos projetos concretos e realizáveis e isso é sempre confundido com os sonhos, que por sua vez tem uma ligação com o mundo imaginário, com os mistérios e o lado místico da existência, o que é pouco entendido.

Normalmente a maioria dos seres humanos sonha com um mundo melhor, no entanto poucos fazem algo para melhorar a si mesmos, mesmo assim continuam a sonhar com essa probabilidade. Essa esperança de um amanhã melhor é o que nos faz andar e enfrentar as dificuldades da existência, não fosse isso não seria designado de sonho, pois fica mais no mundo das ideias e da imaginação.

Precisamos aprender que lutar para ter um carro do ano, estudar para adquirir um diploma do Ensino Superior, esforçar-se para obter a casa própria e etc., não é a realização de sonhos, mas o coroamento de metas e desejos que impomos como desafio a nós mesmos e isso está ligado ao concreto, isto é, ao que pode ser realizado.

O interessante que depois que as metas são alcançadas elas perdem a graça, parecem fáceis mesmo depois de tantas dificuldades, diferente do sonho que nos desafia a viver um dia após outro, mergulhados na esperança de que o amanhã sempre será melhor e assim caminharmos sem perceber que existe apenas o hoje.

Um tipo de sonho é a nossa esperança em viver para sempre, a possibilidade de haver em algum lugar uma fonte na qual um ser humano uma vez imerso possa obter a juventude eterna. É óbvio que esse intento não é possível, no entanto, estabelecemos metas como uma alimentação balanceada, exercícios físicos e processos cirúrgicos para aparentar os aspectos juvenis em nosso corpo, enquanto sonhamos com a possibilidade de um dia não mais envelhecer, porquanto tudo isso nos fortalece e nos torna esperançosos.

Outro tipo de sonho é aquele desejo de conviver com pessoas perfeitas, pessoas que não contrariem nossas opiniões e nem nossos anseios. Outro exemplo de sonho é a possibilidade de viver em um mundo que gire em torno de nossos desejos e vontades. O sonho é a mais bela e poética ilusão que nos guia pelos caminhos ásperos e espinhosos da vida, pois é aquela nova esperança que plantamos dia a dia sem perceber. Sonhos são as pernas altas que elevam nossa autoestima e tornam belo nosso viver.

Os sonhos existem para podermos caminhar e assim não sermos atropelados pela indiferença da vida, porquanto quem não sonha, simplesmente deixa de viver, apenas existe. O sonho é o que há de infância em nós e sempre nos acompanhará de forma ativa ou adormecido, pois o que envelhece é o corpo, o concreto de nosso ser, enquanto que a alma sempre será assim como os sonhos, parte dos mistérios que fogem de nossa compreensão, mas nos permitem manter a infância viva dentro de nós, porquanto sonhar não custa nada, mas vale toda uma vida.

Jornalista, Especialista em Comunicação e Marketing / Especialista em Jornalismo Político. e-mail: daviroballo@gmail.com