Servidora da Cultura explica a importância de restauração da biblioteca municipal de Dourados

"Bibliotecas não são depósitos de livros" destaca a Coordenadora Geral do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas do Ministério da Cultura

Por: Vinicios Araújo - 18/05/2017 15h29

(Foto: Hédio Fazan) Na foto, a conselheira do Conselho Regional de Biblioteconomia do Centro-Oeste, Eunice de Lourdes Franco e a Coordenadora Geral do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas do Ministério da Cultura, Vânia Bravo Esteves. (Foto: Hédio Fazan) Na foto, a conselheira do Conselho Regional de Biblioteconomia do Centro-Oeste, Eunice de Lourdes Franco e a Coordenadora Geral do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas do Ministério da Cultura, Vânia Bravo Esteves.

Com exclusividade ao Jornal O PROGRESSO, a Coordenadora Geral do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas do Ministério da Cultura, Vânia Bravo Esteves, destacou pontos importantes na revitalização da Biblioteca Municipal de Dourados, tendo em vista que está desativada desde abril de 2015.

A servidora afirma que é preciso desfazer a visão de bibliotecas como depósitos de livros, na qual é mantida com os "restos" que sobram dos recursos municipais.

Na noite desta quinta-feira, será realizada uma audiência pública com o tema "Vamos discutir a biblioteca que queremos" em sessão da Câmara de Vereadores de Dourados, por iniciativa do vereador Cirilo Ramão, onde Vânia afirma que as bibliotecas que querermos são as acessíveis, disponíveis e qualificadas.

Ela diz que é desastroso para uma cidade permanecer com uma biblioteca fechada, afinal dela surgem todas as artes. "A partir da leitura é que podemos produzir todas as artes, elas são as casas do saber, quando a fechamos interrompemos a proliferação do conhecimento".

Vânia ressaltou que existem passos para a restauração da biblioteca em Dourados, e a primeira medida a ser tomada é a contratação do profissional bibliotecário para gerir a unidade municipal. Esse profissional é responsável em coordenar a biblioteca, conservando o acervo e administrando as necessidades, podendo também ser o elo entre a prefeitura e as autoridades políticas em investimentos para a qualificação da biblioteca.

Outro fator fundamental é regularizar a administração da biblioteca ao poder da Secretaria de Cultura, pois atualmente ela está sob a gestão da Secretaria de Educação, que acaba não tendo condições de cuidar e proporcionar para a biblioteca a solução para as necessidades que ela apresenta.

(Foto: Hédio Fazan) (Foto: Hédio Fazan)

O vereador Cirilo Ramão afirmou que atualmente a biblioteca municipal Vicente de Carvalho apresenta três demandas emergenciais, primeiro a contratação do profissional habilitado, o bibliotecário, segundo a restauração e aquisição do acervo e seqüencialmente a construção de um novo prédio.

"É contraditório para uma cidade universitária como Dourados permanecer com a biblioteca de portas fechadas" disse o parlamentar ressaltando que Dourados tem vários profissionais da literatura que podem contribuir com essa ação, como exemplo a Academia Douradense de Letras.

A conselheira do Conselho Regional de Biblioteconomia do Centro-Oeste, Eunice de Lourdes Franco relembrou um período que assumiu a administração da biblioteca Vicente de Carvalho na década de 80, onde encontrou na época mulheres que faziam crochê por não ter ocupação na unidade. Ela recorda que foi afrontada pelas funcionárias na época por não aceitar aquelas condições.

"Eu quis abandonar a função na época, pois quase fui linchada ao informar as auxiliares da verdadeira função que deveríamos executar ali. Isso mostra que o problema com a biblioteca não é um problema atual e sim que se arrasta ao longo de décadas" disse Eunice.

Na solenidade estará presente o Secretário de Cultura de Dourados, Gil Esper, que segundo o vereador Cirilo, em conversa afirmou que está disposto a regularizar todas essas adequações.
A audiência pública será às 19h desta quinta-feira, na Câmara Municipal de Vereadores de Dourados.