Projeto solidário de escola ajuda entidades assistenciais

Estudantes, pais e professores da Joaquim Murtinho estão envolvidos num trabalho que arrecadou donativos e promoveu ações de solidariedade

Por: Flavio Verão - 14/05/2018 10h04

Muro solidário a ser inaugurado hoje servirá para os douradenses pendurar doações, como roupas, calçados, brinquedos
Foto: divulgação

A comunidade da escola municipal Joaquim Murtinho, na região central de Dourados, encerra hoje as ações da 1ª edição do projeto 'Solidariedade sustentável'. As atividades iniciaram no dia 14 de abril com a arrecadação de roupas, leite, alimentos e a promoção de ações solidárias no dia a dia. Também foi arrecadado materiais recicláveis.

Hoje, por volta das 8h40, haverá a inauguração do 'Muro solidário'. Em frente a escola foram desenhados, no muro, guarda-roupas, sapateiros e prateleiras de materiais escolares e de brinquedos. Nos desenhos foram fixados ganchos para que a comunidade douradense pendure doações. A ideia é a de que os produtos sirvam para qualquer pessoa necessitada.

Na sequência, conforme a programação, professores, pais e estudantes farão carreata que saíra da escola, localizada no cruzamento das ruas Onofre Pereira de Matos com João Cândido Câmara, com destino até a avenida Marcelino Pires, a principal da cidade, onde seguirão até rua Coronel Ponciano, depois do shopping, fazendo contorno pela Joaquim Teixeira Alves, retornando até a praça Antônio João, próximo da escola.

Do local haverá divisão de equipes para distribuir tudo o que foi arrecadado durante os quase 30 dias de projeto. Os 404 alunos da Joaquim Murtinho, com o apoio dos pais, arrecadaram 1657 litros de leite, 1.5 tonelada de roupas, 86 mil unidades de materiais de higiene, mais de 2.5 mil quilos de alimentos e 20 dúzias de ovos.

De acordo com a diretora Jailza Ramos, as arrecadações foram divididas e hoje serão encaminhadas para O Iame, entidade que acolhe meninos; Lar Ebenezer, responsável pelo acolhimento de meninas; projeto Jeová Jireh, da igreja IBMR e que atua com dependentes; Lar do Idoso; e Lar Santa Rita, que abriga bebês e crianças.

Também vão receber doações a Casa da Criança Feliz e a escola municipal Clori Benedetti, no bairro Jóquei Clube, um dos mais afastados da região central.

Solidariedade

O projeto movimentou a escola e despertou em toda a comunidade a importância da solidariedade. A diretora Jailza diz que no ano passado a ação contemplou somente a questão ambiental, com arrecadação de pilhas, pets, latinhas, óleo usado. Para essa edição a proposta foi a de humanizar as atividades, com uma série de ações solidárias.

Alunos e os pais foram estimulados a desenvolver nesse período ações que visassem ajudar o próximo, como doação de sangue, doação de alimentos ao projeto 'Geladeira solidária' da Primeira Igreja Batista. Tudo tinha que ser registrado para publicação em rede social da escola. "Buscamos trabalhar e desenvolver questões como a importância do dividir, do compartilhar e de ajudar o próximo", descreve a diretora Jailza. O muro solidário será permanente e qualquer pessoa poderá fazer doações.

As arrecadações foram separas por turmas e no dia 21 de maio, durante a abertura dos Jogos da Amizade da escola Joaquim Murtinho, será revelada as três salas de aulas que mais arrecadaram donativos. Os alunos da turma em primeiro lugar ganharão um passeio (a ser definido), medalhas e brinde; o segundo lugar terá direito a garrafa squeeze personalizada e medalhas. Já os estudantes em terceiro lugar levarão um estojo e medalhas.