Estado criado, trabalho triplicado

Nos primeiros anos da nova unidade da federação, três governadores se revezaram na administração de Mato Grosso do Sul. Harry Amorim Costa foi o primeiro governador nomeado pelo presidente da República Ernesto Geisel, em 1978..

Fátima Frota - 10/10/2017 07h45

Apesar de pouco tempo no cargo, Harry Amorim foi o primeiro governador de MS nomeado (Foto: arquivo) Apesar de pouco tempo no cargo, Harry Amorim foi o primeiro governador de MS nomeado (Foto: arquivo)

Quem seria o primeiro governador do recém criado estado de Mato Grosso do Sul? Esta era a resposta que o povo sul-mato-grossense, aguardava, ansiosamente. A classe política daquela época articulava e propunha nomes, afinal, o Estado fora criado em 11 de outubro de 1977 e a Lei Complementar número 31, previa o mês de março de 1978, como limite para a indicação do chefe do Executivo.

Os nomes propostos, dentre eles, os senadores Rachid Saldanha Derzi e Antonio Mendes Canale não foram aceitos pelo Presidente Ernesto Geisel (1974-1979). Até o ministro do Interior, Mauricio Rangel Reis e o chefe da superintendência para o Desenvolvimento do Centro Oeste (Sudeco), Julio Arnold Laender, foram indicados, mas, também, não foram escolhidos.

Harry Amorim

Finalmente, em 22 de março de 1978 o presidente escolheu o engenheiro civil, gaúcho de Cruz Alta, Harry Amorim Costa, diretor-geral do Departamento Nacional de Obras de Saneamento (DNOS) para iniciar a implantação da estrutura administrativa do novo Estado. Em 1º de janeiro de 1979 foi empossado como o primeiro governador para exercer o cargo por quatro anos. Pertencia ao quadro político da Aliança Renovadora Nacional (ARENA).

Harry Amorim ficou no cargo por alguns meses, pois teria cometido vários erros administrativos, entre os quais, a contratação de técnicos de outros centros para gerenciar as pastas do governo e não ter prestigiado a política local. Foi exonerado aos 12 de junho de 1979, pelo Presidente da República João Baptista Figueiredo ( 1979-1984).

Londres Machado (interino)

Até ser nomeado outro político para assumir o governo, entrou em cena, aquele que seria o recordista brasileiro de legislaturas, o presidente da Assembléia Legislativa, Londres Machado (Arena). O deputado estadual ocupou interinamente a cadeira de 13 de junho a 30 de junho de 1979.

Marcelo Miranda

A classe política de Mato Grosso do Sul (Pedro Pedrossian, Saldanha Derzi e Mendes Canale) sugeriu o nome daquele que seria o segundo governador. O presidente João Baptista de Oliveira Figueiredo (último presidente do período da ditadura militar) nomeou o engenheiro civil, Marcelo Miranda Soares do Partido Democrático Social (PDS), em substituição a Harry Amorim Costa. Marcelo Miranda renunciou ao mandato de prefeito de Campo Grande e assumiu o governo do Estado aos 30 de junho de 1979 e foi exonerado aos 29/10/1980.

Apesar do pouco tempo à frente do executivo estadual, Marcelo Miranda deixou marcas importantes no Estado. Promoveu a municípios, os distritos de Bodoquena, Costa Rica, Douradina, Itaquiraí, São Gabriel D’Oeste, Selvíria, Sete Quedas, Tacuru e Taquarussu. No seu governo foram criados o Instituto de Previdência (Previsul), a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) e a Imprensa Oficial, dentre outros feitos administrativos.

Eis que, novamente, Mato Grosso do Sul ficou sem governador. Entrou em cena, pela segunda vez, o deputado estadual Londres Machado que assumiu interinamente o período de 28 de outubro a 7 de novembro de 1980. Nas eleições de 1982, Marcelo Miranda, mineiro de Uberaba, nascido em 1º de dezembro de 1938, foi eleito senador.

Voltou a governar o Estado de 15 de março de 1987 a 14 de março de 1991 através do voto popular, pelo Partido da Frente Liberal (PFL). O vice governador foi o douradense George Takimoto. Realizou obras de infraestrutura, rodovias e energia. Criou a Polícia Floresta, instalou indústria esmagadora de soja, dentre outros benefícios.

Pedro Pedrossian

Nomeado em novembro de 1980, foi a vez de Pedro Pedrossian assumir o governo, em substituição a Marcelo Miranda Soares. Entrou na lista como o terceiro a dirigir o Estado, até março de 1982. Eleito nas urnas, foi o 7º governador no período de 15 de março de 1991 a janeiro de 1995, pelo Partido social Trabalhista (PST). O vice governador foi Ary Rigo.

O "Homem de Miranda", nascido em 13 de agosto de 1928, realizou importantes obras, como a criação da Defensoria Pública do Estado, a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Estádio Morenão, Hospital Regional Rosa Pedrossian, o Parque dos Poderes, obras de pavimentação. Construiu postos de saúde, creches, escolas, conjuntos habitacionais, e outras obras. Morreu em Campo Grande, em 22 de agosto de 2017.

 
Londres Machado foi governador interino 13 de junho a 30 de junho de 1979.(Foto: arquivo) Londres Machado foi governador interino 13 de junho a 30 de junho de 1979.(Foto: arquivo)
 
Governou MS por duas vezes. O último mandato foi de 15 de março de 1987 a 14 de março de 1991 (Foto: arquivo) Governou MS por duas vezes. O último mandato foi de 15 de março de 1987 a 14 de março de 1991 (Foto: arquivo)
 
Governou MS por duas vezes. O último mandato, através de voto popular foi de 15 de março de 1991 a janeiro de 1995, (Foto: arquivo)  Governou MS por duas vezes. O último mandato, através de voto popular foi de 15 de março de 1991 a janeiro de 1995, (Foto: arquivo)