Comunidade acadêmica da Unigran recebe orientações sobre o câncer de mama

Dourados - 17/10/2017 16h54

 
Acadêmicos na Unigran fazem intervenção no Outubro Rosa (Foto: divulgação) Acadêmicos na Unigran fazem intervenção no Outubro Rosa (Foto: divulgação)

Em comemoração ao Outubro Rosa, acadêmicos do curso de Fisioterapia da UNIGRAN realizaram uma panfletagem pelos saguões da Unigran, alertando homens e mulheres com relação aos métodos e importância do autoexame do câncer da mama.

Pelo menos 60 alunos do curso estiveram envolvidos na ação, que faz parte da disciplina de ‘Saúde da Mulher’ ministrada pela professora Simone Nihues, que também é coordenadora do curso. Há seis anos os cursos de Fisioterapia e Estética e Cosmetologia se unem para realizar intervenções no Outubro Rosa – ummês em que o foco principal é a saúde da mulher com objetivo de orientar com relação ao diagnóstico precoce do câncer de mama.

"Esse é um período ao qual estimulamos bastante o autocuidado e durante o mês todo são feitas várias ações, incluindo a panfletagem, onde no conteúdo é passada orientação de como proceder com o autoexame da mama além de incentivar a mulher a ir pelo menos uma vez ao ano no ginecologista", afirma a coordenadora do curso.

Ainda de acordo com a coordenadora, são desenvolvidas também com a participação dos acadêmicos, ações no Hospital do Câncer de Dourados e na Rede Feminina de Combate ao Câncer, tais como terapias manuais, maquiagens e uso de lenços.

De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde, apesar de raro, o câncer da mama acomete aos homens também. A chance de acontecer é pequena, cerca de 1% bem menor do que no sexo feminino, porém o tratamento é o mesmo.

"O autoexame deve ser praticado da mesma forma, a única diferença é que na mulher ele precisa ser realizado de 5 a 7 dias após o período menstrual e no homem não tem um período específico. Os homens ficam com um pouco de receio e relutam em ouvirem as orientações, mas quando são informados do que realmente se trata e que o câncer pode acometer qualquer membro da família, eles acabam se interessando e aceitando a abordagem", pondera Simone Nihues.

O acadêmico do 6º semestre de Fisioterapia, Mateus Dias Andrade, afirma que a panfletagem é só mais um incentivo na árdua tarefa de alertar as pessoas com relação ao câncer, em especial ao de mama. "Eu acho que ainda existe muito preconceito por parte dos homens, com relação ao autoexame do câncer de mama e eles se sentem um pouco recuados e nosso intuito é tentar mudar essa realidade", finaliza.