Acabou a "feirinha de calcinhas" na AL

Por: Cícero Faria - 17/07/2017 07h00

O corregedor da Assembleia Legislativa, deputado Maurício Picarelli (PSDB) informou aos servidores, que está proibido o comércio de alimentos a calcinhas na sede do Legislativo estadual. Itens poderão ser apreendidos, a partir de 1º de agosto, se descumprida a norma. Segundo Picarelli, "há pessoas que vendem artesanato, plantas, produtos de beleza, congelados, calcinhas, tapetes, semijoias, hortifrutigranjeiros. Vão fazer uma feira aqui", citou o deputado. Picarelli ainda lembrou existência de lei que veda comércio dentro de repartições públicas, porém a medida estava sendo ignorada pelos próprios servidores da Assembleia. Alerta sobre a proibição tem por objetivo evitar que o Legislativo vire chacota nacionalmente. "Pelo amor de Deus, isso dá Jornal Nacional", destacou o deputado .

Pauladas

O advogado de defesa de Michel Temer, Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, declarou que há uma "cultura punitiva" no País, citando o ex-presidente LuLA, condenado a nove anos e seis meses de prisão. "Pau que mata Chico, mata Francisco. Pau que mata Michel, mata Lula", afirmou Mariz. A declaração fez referência à frase que ficou famosa com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em sua sabatina no Senado de recondução à PGR. Ele disse à época para o senador Fernando Collor: "Pau que dá em Chico, dá em Francisco".

Em mãos

Está nas mãos do desembargador "douradense" Sérgio Martins o destino da Operação Coffee Break que investigou a "armação" para cassar o então prefeito Alcides Bernal (PP). Hoje corre uma ação de improbidade administrativa contra 28 acusados "armar" o golpe. Martins tem nas mãos 15 recursos de réus na ação. Um deles foi impetrado pelo ex-governador André Puccinelli (PMDB) que, por sinal, indicou Sérgio Martins para o Tribunal de Justiça. O desembargador é irmão do falecido médico anestesiologista Afrânio Martins, que atuava em Dourados.

Nem morto

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse confiar na derrubada da denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados. "Sabe quando a oposição terá 342 votos? Nunca", afirmou Jucá, em referência ao número necessário de apoios para a admissibilidade da denúncia. Jucá acrescentou: "Temer ganhou na Comissão de Constituição e Justiça e, a partir de agora, quem tem de colocar 342 votos no plenário da Câmara é a oposição. O ônus é de quem quer mudar".

Escondidinho

O deputado federal Geraldo Resende (PSDB) disse que prefere não anunciar previamente seu voto no plenário da Câmara quando da votação da denúncia contra Temer no dia dois de agosto. "O que posso dizer é que a oposição não vai conseguir colocar os votos contrários, sobre meu voto, prefiro não dizer nada por enquanto", comentou.

Calote

O PT de Mato Grosso do Sul acumula dívidas com encargos trabalhistas. Demitidos há um mês, oito ex-funcionários ainda não receberam a rescisão e divulgaram um manifesto de repúdio ao comando do partido. De acordo com o presidente do PT, deputado federal Zeca do PT, o pagamento depende do "fluxo financeiro". Zeca afirmou que as dívidas com Previdência e FGTS são de cerca de R$ 60 mil. Mas os ex-funcionários dizem que a dívida é bem maior. De acordo com o ex-assistente financeiro Marcos Nogueira, demitido, a dívida só com as rescisões chega a R$ 500 mil. "Quando recebemos o aviso prévio já sabíamos que não tinha de onde tirar o dinheiro. Era para dar o calote", disse Nogueira. "Enquanto o Zeca defende a CLT no Congresso, ele enterra direitos trabalhistas em MS", citou um dos demitidos.

BATE REBATE

● Assim como a Câmara de Dourados, a Assembleia Legislativa entrou em recesso, ou férias, por 15 dias.
● Mais da metade das prefeituras de Mato Grosso do Sul que terão reforço de caixa em 2018, por causa do aumento no porcentual de rateio do ICMS, são comandadas pelo PSDB, mesmo partido do governador Reinaldo Azambuja, apontou comparativo realizado pelo Correio do Estado.
● O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM), foi alertado por colegas do risco de estar sendo monitorado. Ele mesmo não esconde mais de interlocutores essa desconfiança. Por isso, tem tomado cuidado redobrado com a sua agenda política, segundo o blog do Camarotti.
● A Secretaria Nacional Antidroga e o Ministério Público do Paraguai destruíram cerca de 52 toneladas de maconha encontradas em uma propriedade rural de Pedro Juan Caballero. O local funcionava como um centro de produção. Também havia um cultivo de cinco hectares, o que equivale a 15 toneladas da droga.

INFORME CURURU

Dependendo do próximo presidente, não haverá passagem da faixa presidencial, mas de tornozeleira eletrônica.