Projetos do MS serão apresentados em fórum nacional de juízes

O programa "Mãos emPENHAdas Contra a Violência" é uma iniciativa inédita ao propor que profissionais da beleza, como manicures, cabeleireiras e depiladoras sejam agentes no combate à violência doméstica e familiar contra a mulher

17/10/2017 07h00

 
Juíza Jaqueline Machado, coordenadora da Mulher do Mato Grosso do Sul, vai apresentar projetos em fórum nacional Juíza Jaqueline Machado, coordenadora da Mulher do Mato Grosso do Sul, vai apresentar projetos em fórum nacional

Elvio Lopes elvio@progresso.com.br

Dois dos projetos do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul, o "Mão EmPENHAdas contra a Violência" e Atena, da Campanha Mulher Brasileira, da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar de MS, foram selecionados para apresentação no 9º Fórum Nacional de Juízes de Violência Doméstica contra a Mulher (IX Fonavid), que será realizado de 8 a 11 de novembro em Natal (RN), com o tema Violência Doméstica como Fenômeno Mundial e Multidisciplinar.

O Poder Judiciário do Estado será representado pela juíza Jaqueline Machado, coordenadora da Mulher de MS e idealizadora da Campanha da Mulher Brasileira, que realiza os dois projetos em ações que buscam engajar toda a sociedade, trazendo informação e conscientização sobre a violência de gênero, que ainda é uma mazela que ceifa muitas vidas no país.

Os projetos do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) serão apresentados na manhã do dia 9/11, durante as oficinas de boas práticas e segundo a juíza Jacqueline Machado, a expectativa com este Fonavid é de muita troca de experiências. "Nós vamos mostrar como é a campanha Mulher Brasileira, o projeto Atena e Mãos emPENHAdas contra a violência, para que os outros colegas magistrados e suas equipes técnicas possam replicar em seus Estados estas idéias", disse.

Para a magistrada, o Fonavid é uma grande oportunidade de debater pontos controvertidos e a aplicação da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06). "Precisamos avançar nesta discussão e na implementação, cada vez maior, da lei e, principalmente, na proteção das mulheres vítimas de violência, porque os números da violência doméstica, a cada dia, crescem mais e são assustadores. Precisamos implementar a lei de forma adequada e efetiva", explica Jacqueline Machado.

Programas

O programa "Mãos emPENHAdas Contra a Violência" é uma iniciativa inédita no país ao propor que profissionais da beleza sejam agentes no combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. Manicures, cabeleireiras e depiladoras a partir de agora são multiplicadoras de informações sobre todas as formas de violência doméstica e familiar contra as mulheres e como combater e denunciar os abusos. Os estabelecimentos parceiros têm um Selo de Parceria para identificar a participação na campanha.

O Projeto Atena promove a realização de oficinas de sexualidade para as mulheres em situação de violência doméstica atendidas pela 3ª Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, situada na Casa da Mulher Brasileira. Cada edição é realizada em cinco encontros quinzenais e faz parte da Campanha Mulher Brasileira em prol das vítimas de violência. O objetivo das oficinas é propiciar espaço de escuta e reflexão sobre a sexualidade, como reconhecimento e empoderamento do corpo, relações e violência de gênero, identificação dos diferentes tipos de relacionamentos, implicações afetivas e sociais, além de abordar algumas questões voltadas à saúde da mulher.

Campanha

O Poder Judiciário está engajado, durante todo este ano de 2017, na Campanha "Mulher Brasileira", que faz parte da mobilização nacional "Justiça pela Paz em Casa", idealizada pela presidente do STF e do CNJ, Ministra Cármen Lúcia. Por isso, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Divoncir Schreiner Maran, conclamou todo o Poder Judiciário, instituições e a sociedade para propagar a cultura da paz dentro de casa e conta com a participação de toda a sociedade para mudar esta realidade que vitima mulheres todos os dias.

A Casa da Mulher Brasileira está situada na Rua Brasília, s/nº, Jardim Imá, em frente ao Aeroporto Internacional de Campo Grande. Para informações ligue (67) 3304-7559 e o disque-denúncia é pelo número 180, com ligação gratuita e garantia de anonimato.