Com liberação do 13°, prefeitura de Caarapó injeta R$ 2,8 milhões na economia local

A antecipação dos vencimentos soma R$ 1.270.310,73. No total, foram injetados R$ 2.863.354,40 na economia caarapoense.

Da Redação - 15/07/201716h12

Prefeito Mário Valério e assessores da área financeira discutem ações no setor de economia do município. (Foto: Dilermano Alves)
Prefeito Mário Valério e assessores da área financeira discutem ações no setor de economia do município. (Foto: Dilermano Alves)

A prefeitura de Caarapó liberou na sexta-feira (14) a primeira parcela do 13° salário dos servidores públicos municipais, junto com a antecipação de 40% dos salários referentes a julho. Os valores do 13° referem-se a 50% da obrigação e totalizam R$ 1.593.043,67. A antecipação dos vencimentos soma R$ 1.270.310,73. No total, foram injetados R$ 2.863.354,40 na economia caarapoense.

Em período de férias coletivas concedidas de 10 a 24 de julho, os servidores públicos municipais administrativos de Caarapó podem programar o seu descanso com a família em período coincidente com as férias escolares. "A liberação da primeira parcela do 13°, junto com o pagamento da antecipação da parcela dos salários, certamente vai contribuir para o planejamento de uma eventual viagem ou mesmo para a quitação de alguma dívida", observou o prefeito Mário Valério (PR), que, desde o seu primeiro mandato, tem mantido rigorosamente em dia o pagamento dos servidores municipais. "O País passa por um momento de crise, mas o pagamento de salários é sagrado", pontuou.

De acordo com o dirigente caarapoense, a segunda parcela do 13° dos servidores municipais será paga em dezembro, antes do Natal. Como é de costume, a segunda parte dos salários, referentes a julho, será liberada até o fim deste mês.

Como já é percebido pela população, o cenário econômico do País é de crise. Essa situação atinge diretamente os municípios de pequeno porte, que dependem de repasses financeiros dos governos estadual e federal para arcar com compromissos com a folha de pagamento e fornecedores.

Uma das fontes de receita é o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), repassado pela União de dez em dez dias, valores que tendem a cair nesse período do ano. Por esse motivo, a recomendação da Confederação Nacional de Municípios (CNM) é que os gestores municipais devem continuar se planejando para cumprirem suas obrigações orçamentárias, já que o cenário econômico nacional ainda requer precaução em relação à recuperação da atividade econômica.

Apesar de os indicadores de inflação estarem favoráveis, nas projeções no último relatório (Boletim Focus) divulgado pelo Banco Central do Brasil, houve a redução da estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2017, que passou de 0,4% para 0,39%. Além disso, a CNM destaca que a conjuntura política do país continua bastante instável.

Em particular, no mês de julho, o FPM apresenta uma forte queda devido à sazonalidade da arrecadação ao longo do ano. Ela ocorre em função dos níveis de atividade econômica típicos de cada período.