06/05/2013 09h21 - Atualizado em 06/05/2013 09h21

Marisvaldo fala das expectativas da Expoagro

 
César Cordeiro
Do Progresso

Em entrevista especial ao O PROGRESSO o presidente do Sindicato Rural de Dourados, Marisvaldo Zeuli, fala sobre a 49ª Feira Internacional De Dourados (Expoagro Dourados 2013) que acontece de 09 a 19 de maio, no Parque de Exposições João Humberto de Carvalho. O evento contará com leilões, comercialização de produtos derivados de leite, exposição de raças, palestras, simpósios, shows nacionais, e diversos segmentos do agronegócio. O lançamento oficial da feira aconteceu no dia 12 de abril. Leia:

Marisvaldo Zeuli – presidente do Sindicato Rural de Dourados (Foto : Hédio Fazan/OPROGRESSO) Marisvaldo Zeuli – presidente do Sindicato Rural de Dourados (Foto : Hédio Fazan/OPROGRESSO)

Com qual expectativa será aberta a Expoagro deste ano?

“A expectativa não é diferente dos outros anos. A cada dia aumenta a nossa expectativa por conta de que é o maior evento da cidade e a gente tem sempre que apresentar para a população um projeto arrojado, diferente, é o que a população merece”.

Qual o prospecto da feira agropecuária de Dourados hoje?

“Acho que a feira agropecuária obedece sempre assim, um esqueleto e dentro disso a gente sempre procura melhorar, melhorar rodeios, procuramos melhorar os shows, procurando melhorar o ambiente da feira, aperfeiçoar, melhorar tudo aquilo que acontece dentro da feira, trazendo novas tecnologias, novos parceiros, palestras, simpósios, a nossa feira hoje é uma feira ambientalmente correta, terminamos nosso projeto, estamos com o projeto ambiental todo feito, então, a gente vem buscando por a feira no lugar que realmente ela merece”.

E qual a expectativa de público?

“A gente sempre espera um público superior do que foi o ano passado esta é a esperança que a gente tem, até porque a gente trabalha com o público desde o valor do convite, as atrações, o valor de uma refeição, a gente trabalha todas estas questões, a gente não permite que as pessoas sejam exploradas, o mesmo preço que ele paga em um produto aqui fora ele vai pagar lá dentro da feira, então, por exemplo, nós vamos ter um show na quinta-feira que vai ser meia-entrada R$ 7,50 e inteira R$ 15,00 antecipado e na hora R$ 10,00 e R$ 20,00, então, são preços que eu acho que estão dentro da nossa realidade é um preço barato”.

As atrações musicais?

“Nós vamos ter os cantores Thiaguiho, Guilherme e Santiago, João Neto & Frederico, Luan Santana, Conrado & Alexandro, Loubet, algumas atrações que estão nacionalmente indo bem e vamos dar oportunidade para as pessoas que irão à feira curtir um bom show, um bom espetáculo”.

Qual o momento que vive o agronegócio brasileiro?

“O agronegócio brasileiro hoje é o que dá o superávit da balança comercial e desta forma nós não temos o respeito que realmente merecemos. Nós do sul do Estado estamos vivendo uma insegurança jurídica absurda, um desrespeito a Constituição, desrespeito ao direito de propriedade, vivemos aqui como em todo o Brasil uma situação difícil de logística, produzimos bem, produzimos a preços competitivos e a logística nossa é arrebentada não tem estrutura nenhuma. O governo federal não investe na logística”.

O produtor está mobilizado para reagir contra tudo isto?

“Hoje no sul do Estado, especificamente em Dourados, nós estamos vivendo esta questão fundiária absurda feita de maneira administrativa, de maneira que não condiz com o processo judicial, então a gente vê isso com muita dificuldade e com muita tristeza. O tempo do produtor rural é o tempo de produzir, buscar tecnologia, produzir mais e melhor, mais barato e a gente vê que no Brasil isso não está sendo feito, principalmente para as pessoas responsáveis por isso, então, os nossos administradores, o Poder Judiciário como um todo fazem as coisas aleatoriamente de maneira administrativa, mas daqui pra frente podem ter certeza que o produtor rural está atento, já estamos nos mobilizando e vamos fazer as manifestações que se fizeram necessárias, nós vamos estar presentes em toda e qualquer situação”.

O que o produtor rural vai encontrar na feira?

“O produtor é um consumidor disso, da tecnologia, nós vamos apresentar máquinas e equipamentos de última geração, nós vamos fazer palestras direcionadas as várias cadeias produtivas, então, na feira vão poder ver técnicos falarem com conhecimento, com propriedade sobre o assunto, então, o produtor vai levar para casa mais conhecimento ou vai voltar bem melhor do dia em que ele chegou à feira”.

E quanto aos animais?

“A gente está esperando um bom numero de animais para julgamento, mas também, leilões que Dourados serve como parâmetro de mercado para o futuro. A nossa feira é uma feira com status internacional, muito embora ainda falte um grande trabalho para que efetivamente estas pessoas venham, mas é uma feira que hoje está em nível nacional, a feira é respeitada e a gente tem recebido vários elogios pela organização, pelo espaço e a tendência é que isso melhore muito”.

Do que o produtor rural mais necessita hoje para alcançar melhores resultados?

“O produtor é o que menos exige de prefeito, de governador, o que ele exige é estrada, somente a estrada para escoar a produção, é um batalhador, que busca tecnologia, que quer produzir mais, quer produzir melhor, mas assim, encontra estas dificuldades que eu venho dizendo, dificuldades de gerir seu negócio, hoje a insegurança é muito grande, falta infraestrutura, logística, parte jurídica, então o produtor está enfrentando uma situação que ao mesmo tempo em que é dono da propriedade no outro dia já não é mais, isso de maneira administrativa, não tem uma parte judicial, não é possível admitir que uma Funai faça todo um processo administrativo sem direito do contraditório, tem toda uma legislação aí para ser respeitada e não respeitam e já está provado e comprovado que a Funai é gerida por Ongs, por dinheiro externo e como o governo admite um negócio deste, não pode, acho que não é por aí”.

Haverá mais protestos a exemplo daquele do que aconteceu durante a visita da presidenta Dilma?

“O Sindicato Rural é o órgão aonde o produtor chega, faz suas reclamações e a gente vai buscar ou pelo menos tentar encontrar uma solução para o problema, é o ponto é a casa do produtor e ele tem que estar lá para poder a gente representá-lo melhor, acho que ninguém é 100% mas o Sindicato sempre esteve e estará com as portas abertas para receber todos os produtores e tudo aquilo que é possível nós estamos fazendo, ação judicial, manifesto, levar os produtores para as audiências públicas, aos protestos, a gente tem toda situação favorável aos produtores. Com certeza estamos unidos o produtor sempre foi unido é que o produtor cuida daquela questão do seu negócio, de produzir, o produtor nunca teve essa condição de se manifestar por conta de que o tempo é muito escasso, mas daqui pra frente podem ter certeza que o produtor estará mais atento nestas questões e nós vamos fazer valer o direito de propriedade”.

Qual o convite que o senhor deixa para que todos compareçam a Expoagro?

“Aqui vai o nosso convite e pedimos a todas as pessoas especialmente aos produtores que visitem a feira é um evento feito pelo Sindicato rural em nome de todos os produtores, é o maior evento da cidade e quero que os produtores sintam orgulho de uma feira desta promovida pelo Sindicato que é o que os representa e convidar a população de Dourados para nos prestigiar e fazer parte deste processo, deste evento que é um momento de confraternização, um momento de troca de informações, de levar as famílias porque isso vai fazer com que a gente tenha mais força para fazer novos eventos”.

 
 
 
 
 
 
Imóveis Apartamentos Veículos e Utilitários Importados Motos Diversos Telefones Empregos e Oportunidades